Mercado abrirá em 3 h 35 min
  • BOVESPA

    105.069,69
    +603,69 (+0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.597,29
    -330,11 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    67,88
    +1,62 (+2,44%)
     
  • OURO

    1.781,10
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    48.278,20
    -1.194,03 (-2,41%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.237,80
    -203,96 (-14,15%)
     
  • S&P500

    4.538,43
    -38,67 (-0,84%)
     
  • DOW JONES

    34.580,08
    -59,72 (-0,17%)
     
  • FTSE

    7.166,02
    +43,70 (+0,61%)
     
  • HANG SENG

    23.349,38
    -417,31 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    27.927,37
    -102,20 (-0,36%)
     
  • NASDAQ

    15.774,50
    +56,75 (+0,36%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3739
    -0,0214 (-0,33%)
     

Cientistas criam animais que, na falta de oxigênio, fazem fotossíntese

·1 min de leitura

Ao contrário das plantas, os animais não podem realizar a fotossíntese para gerar o próprio oxigênio, ainda que o cérebro dependa do oxigênio para produzir a energia necessária para funcionar. Mas no último dia 13, pesquisadores da Ludwig Maximilian University of Munich (Alemanha) descobriram uma maneira de aproveitar a fotossíntese para fornecer oxigênio aos neurônios, injetando algas em girinos.

Os pesquisadores cultivaram algas verdes e cianobactérias, que produzem oxigênio com a iluminação, e então injetaram uma pasta de algas no coração dos girinos. Os corações bombearam os micróbios através dos vasos. A equipe descobriu que, após a iluminação, aumentava a concentração de oxigênio nos ventrículos (as câmaras do coração cuja função é bombear o sangue para a circulação).

(Imagem: CreativeNature_nl/envato)
(Imagem: CreativeNature_nl/envato)

Quando os pesquisadores esgotaram o oxigênio da água em que os animais nadaram, a atividade neuronal, medida por gravações elétricas de nervos representativos, parou. Mas eles conseguiram reiniciar a atividade no cérebro, iluminando os animais que receberam injeções de microorganismos. Quando eles desligaram a luz, a atividade neuronal cessou novamente.

Embora o experimento tenha sido um sucesso, os pesquisadores ressaltam que não está claro se as descobertas poderiam ser traduzidas para o tratamento de doenças nas quais o cérebro passa "fome de oxigênio". Ainda assim, o artigo pode ser um passo importante para um dia manter alguém vivo quando um derrame corta o suprimento de oxigênio do cérebro. O estudo completo pode ser encontrado na revista iScience.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos