Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.123,85
    -3.459,16 (-3,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.925,52
    -673,01 (-1,30%)
     
  • PETROLEO CRU

    74,37
    -0,92 (-1,22%)
     
  • OURO

    1.734,10
    -3,40 (-0,20%)
     
  • BTC-USD

    41.697,62
    -1.626,26 (-3,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.033,22
    -23,93 (-2,26%)
     
  • S&P500

    4.352,63
    -90,48 (-2,04%)
     
  • DOW JONES

    34.299,99
    -569,38 (-1,63%)
     
  • FTSE

    7.028,10
    -35,30 (-0,50%)
     
  • HANG SENG

    24.500,39
    +291,61 (+1,20%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.778,00
    +13,25 (+0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3429
    +0,0361 (+0,57%)
     

Cientistas conseguem pegar objetos sem tocá-los usando apenas ondas sonoras

·2 minuto de leitura

Cientistas japoneses encontraram um modo de pegar objetos em superfícies reflexivas sem tocá-los, usando apenas ondas sonoras — e muita engenharia, é claro. Embora eles ainda não possam fazer isso de forma totalmente eficaz e confiável, trata-se de um avanço incrível na busca pela manipulação de objetos físicos sem contato direto com eles.

Os engenheiros responsáveis pelo experimento foram Shota Kondo e Kan Okubo, da Universidade Metropolitana de Tóquio, no Japão. Eles construíram uma matriz acústica hemisférica que pode levantar uma bola de poliestireno de 3 milímetros de uma superfície reflexiva. A “armadilha” acústica é direcionada para a posição desejada, permitindo capturara o objeto e suspendê-lo com as ondas sonoras.

A técnica utiliza transdutores divididos em blocos, o que torna o processo mais fácil do que tentar controlar os transdutores individualmente. Também foi usado um filtro para reproduzir sons otimizados, de modo que a fase e a amplitude de cada canal criasse o campo acústico desejado. Simulações em 3D mostraram como e onde esse campo estava sendo gerado quando a bolinha de isopor foi capturada pela “pinça acústica”.

Na verdade, o que realmente ocorre é que o campo acústico é movido, e por isso o objeto preso nele também se move. Usando essa matriz, os pesquisadores conseguiram erguer o isopor, que estava sobre uma superfície espelhada, mas de forma pouco confiável porque, às vezes, a bolinha se espalhava pela pressão acústica, em vez de ficar presa. Ainda assim, a técnica pode ser aprimorada para melhores resultados.

Pegar partículas sem contato direto é de grande interesse de alguns setores da ciência, como a engenharia biomédica, a nanotecnologia e o desenvolvimento de produtos farmacêuticos. Já existe uma tecnologia, conhecida como pinça óptica, que usa lasers para gerar radiação com pressão o suficiente para levitar e mover partículas extremamente pequenas, mas a pinça acústica tem potencial para mover objetos maiores ou muito menores, na ordem de milímetros.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos