Mercado abrirá em 1 h 18 min
  • BOVESPA

    113.707,76
    +195,38 (+0,17%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,04
    -67,64 (-0,14%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,19
    +1,08 (+1,23%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +8,80 (+0,50%)
     
  • BTC-USD

    23.509,22
    -246,44 (-1,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    559,31
    -13,50 (-2,36%)
     
  • S&P500

    4.274,04
    -31,16 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    33.980,32
    -171,69 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.515,80
    +0,05 (+0,00%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.502,50
    +9,25 (+0,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2661
    +0,0069 (+0,13%)
     

Cientistas conseguem enxergar matéria escura de bilhões de anos atrás

A matéria escura deve se unir e formar aglomerados no universo (Getty Image)
A matéria escura deve se unir e formar aglomerados no universo (Getty Image)
  • Descoberta de 12 bilhões de anos atrás animou cientistas

  • Pesquisadores não conseguia enxergar por falta de luz

  • Novo método ajudou a solucionar parte do dilema

Não é exatamente fácil enxergar uma matéria escura no espaço. A ausência de luz dificulta a observação dessas ocorrências, criando desafios para a comunidade científica.

Depois de muitas tentativas, pesquisadores conseguiram investigar a natureza da matéria escura que cerca as galáxias como era há 12 bilhões de anos.

Normalmente, os cientistas não podem ver a matéria escura diretamente, uma vez que ela não emite luz. Para driblar as dificuldades, os cientistas normalmente observam a luz viajar pelas galáxias que desejam explorar e medem a forma como ela viaja. Nessa caso, quanto mais distorcida, mais matéria escura fica.

Para conseguir ultrapassar esse desafio, os pesquisadores utilizaram as micro-ondas emitidas pelo Big Bang. Na investigação, a equipe mediu como essas micro-ondas distorceram em vez de luz, para que pudessem ver a matéria escura do universo primitivo. Isso permite observar as galáxias logo após a formação.

“A maioria dos pesquisadores usa galáxias de origem para medir a distribuição da matéria escura desde o presente até oito bilhões de anos atrás”, explicou o professor associado Yuichi Harikan, do Instituto de Pesquisa de Raios Cósmicos da Universidade de Tóquio.

Ele ainda afirmou que podemos olhar mais para trás porque agora é usado o CMB mais distante para medir a matéria escura. "Pela primeira vez, medimos a matéria escura aproximadamente desde os primeiros momentos do universo", ressaltou.

Na teoria, a matéria escura deve se unir e formar aglomerados no universo. Contudo, havia muito menos do que o esperado. “O que descobrimos ainda é incerto”, disse Hironao Miyatake, da Universidade de Nagoya, que liderou a equipe. Os cientistas devem continuar estudando e investigando até encontrar novas descobertas.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos