Mercado fechado

Cientistas conectam cérebro humano a um computador através das veias

Nathan Vieira
·3 minuto de leitura

A parte difícil de conectar um cérebro pensante a um computador é obter informações através da cabeça, que é naturalmente dura, uma vez que o objetivo principal do crânio é manter o cérebro em segurança. Tendo isso em mente, na última quarta-feira (28), uma equipe de cientistas e engenheiros mostrou os resultados de uma nova abordagem envolvendo a montagem de eletrodos em um tubo flexível e expansível, conhecido como stent, e a passagem desses fios por vasos sanguíneos que levam ao cérebro.

Em testes feitos em duas pessoas, os pesquisadores passaram os eletrodos pelo stent dentro da jugular, uma importante veia do pescoço, chegando então a um vaso sanguíneo próximo ao córtex motor primário do cérebro. Os eletrodos se assentaram na parede do vaso e começaram a detectar quando o cérebro das pessoas sinalizou sua intenção de se mover. Assim, passaram a enviar esses sinais sem fio para um computador, por meio de um transmissor infravermelho inserido cirurgicamente no peito dos indivíduos.

“A tecnologia foi bem demonstrada em aplicações cardíacas e neurológicas para tratar outras doenças. Simplesmente usamos esse recurso e colocamos eletrodos no stent. É totalmente implantável. Os pacientes voltam para casa em alguns dias”, diz Thomas Oxley, neurologista intervencionista e CEO da Synchron, a empresa que espera comercializar a tecnologia.

O stent com eletrodos pode captar sinais do cérebro, mas os algoritmos de aprendizado de máquina precisam descobrir o que esses sinais realmente representam. Mas depois de algumas semanas de trabalho, os dois pacientes podiam usar um rastreador ocular para mover um cursor e clicar na tela de um PC usando apenas o pensamento, graças ao implante. Foi o suficiente para os dois enviarem mensagens de texto, fazerem compras online e realizarem outras atividades.

Pesquisadores descobrem conectam cérebro humano a um computador pelas veias (Imagem: Robina Weermeijer / Unsplash)
Pesquisadores descobrem conectam cérebro humano a um computador pelas veias (Imagem: Robina Weermeijer / Unsplash)

A Food and Drug Administration (FDA) ainda não aprovou o que Oxley chama de “stentrode” para uso generalizado, e a empresa ainda está buscando financiamento para mais testes, mas esses resultados preliminares sugerem que essa é uma interface cérebro-computador que funciona.

Por enquanto, tudo o que o stentrode está captando ainda é pouco, cerca um bit de informação, ou seja: um clique telepático do mouse ou a ausência desse clique. Mas, para algumas aplicações, talvez seja o suficiente. “Tem havido muita conversa sobre dados e canais, e realmente o que importa é: você entregou um produto que mudou a vida do paciente?” Oxley diz. “Apenas com um punhado de saídas restauradas para o paciente sob o controle, nós os colocamos controlando o Windows 10.”

A equipe de Oxley espera expandir seu estudo para assuntos mais humanos. Eles estarão procurando possíveis efeitos colaterais, como a chance de que o stent possa contribuir para acidentes vasculares cerebrais (embora isso pareça menos provável, pois se incorpora nas paredes do vaso, um processo chamado endotelização). Eles podem encontrar melhores localizações para o stent, em vasos sanguíneos adjacentes a outras áreas do cérebro que possam interessar os médicos.

O software pode passar por algumas melhorias, em termos de descobrir o que o cérebro realmente significa quando emite seus sinais elétricos, e alguns de seus testes sugerem que o sistema poderia captar mais detalhes informativos. Isso poderia levar a próteses mais úteis ou controle de dispositivos além do Windows 10. "Quando começamos a nos envolver com outras áreas do cérebro, percebemos como a tecnologia vai aumentar o poder de processamento do órgão.” É difícil prever o que pode acontecer quando os cientistas, de fato, descobrirem como entrar na cabeça de alguém.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: