Mercado abrirá em 3 h 41 min
  • BOVESPA

    111.539,80
    +1.204,97 (+1,09%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.682,19
    +897,61 (+2,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,83
    +0,08 (+0,13%)
     
  • OURO

    1.724,80
    -8,80 (-0,51%)
     
  • BTC-USD

    50.954,67
    +2.311,81 (+4,75%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.019,92
    +31,82 (+3,22%)
     
  • S&P500

    3.870,29
    -31,53 (-0,81%)
     
  • DOW JONES

    31.391,52
    -143,99 (-0,46%)
     
  • FTSE

    6.693,40
    +79,65 (+1,20%)
     
  • HANG SENG

    29.880,42
    +784,56 (+2,70%)
     
  • NIKKEI

    29.559,10
    +150,93 (+0,51%)
     
  • NASDAQ

    13.168,25
    +113,00 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,8704
    +0,0083 (+0,12%)
     

Cientistas brasileiros comprovam que coronavírus fica no ar

·2 minuto de leitura
3d visualization of corona virus scene
Imagem: Getty Images

O coronavírus está em partículas do ar. É o que mostra uma pesquisa feita pelo Centro de Desenvolvimento da Tecnologia Nuclear, da Universidade Federal de Minas Gerais. O estudo tem sido desenvolvido desde o ano passado e, até hoje, é um dos poucos em todo o mundo que conseguiu provar que o vírus está no ar.

O estudo já foi validado por métodos científicos e é um alerta importante sobre os perigos de ficar em locais sem ventilação adequada. Um artigo com os resultados da pesquisa foi publicado na revista “Environmental Research”.

“Os principais resultados dessa etapa da pesquisa são importantes porque apresentam evidências, baseadas em métodos científicos, da presença de coronavírus em aerossóis. Mais uma comprovação científica de que o coronavírus pode estar no ar”, disse o pesquisador Ricardo Passos em entrevista ao G1.

Leia também

A análise feita pelos pesquisadores, em parceria com o Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, aconteceu em dois hospitais de Belo Horizonte em momentos diferentes da pandemia. Também foram estudados ambientes externos, como estacionamentos, calçadas e pontos de ônibus.

A conclusão é que os aerossóis, partículas invisíveis, tendem a ficar no ar. “Para comprovar a presença desse vírus no ar, a gente usou ambientes hospitalares como modelo, como ambiente controlado, em que a gente saberia que havia a presença de pacientes contaminados, ou seja, uma fonte de aerossóis contaminados e também que haveria o controle rigoroso quanto ao uso de EPIs pela equipe do hospital”, explicou Passos ao G1.

A pesquisa foi feita entre 25 de maio e 4 de junho em um hospital e, no outro, aconteceu entre 9 de junho e 17 de julho. No segundo hospital as equipes encontraram amostras do coronavírus em quatro ambientes. Em uma das salas nas quais o vírus foi encontrado havia ventilação natural, mas o ar circulava pouco. Nos ambientes externos não foram encontradas amostras do vírus.