Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,82 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,96 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +0,14 (+0,21%)
     
  • OURO

    1.846,90
    +8,80 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    46.077,99
    -1.322,52 (-2,79%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.281,47
    -77,09 (-5,67%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,73 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,87 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    0,00 (0,00%)
     
  • NASDAQ

    13.388,75
    +1,75 (+0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4042
    +0,0002 (+0,00%)
     

Cientista questiona origem do coronavírus: "pode ter saído de laboratório"

Natalie Rosa
·2 minuto de leitura

Uma das maiores teorias da conspiração relacionadas à COVID-19 é a de que o coronavírus teria saído de um laboratório, ainda que estudos recentes realizados pela OMS (Organização Mundial de Saúde) tenham descartado essa possibilidade. Determinada a descobrir se isso realmente aconteceu, a engenheira genética Alina Chan, pós-doutoranda do Instituto Broad do MIT e de Harvard, nos Estados Unidos, começou a estudar o vírus na sua própria casa.

A cientista começou investigando o passado, voltando para 2003, quando o SARS-CoV-1 se espalhou entre os humanos provocando síndrome respiratória aguda grave, buscando uma relação dele com o SARS-CoV-2, o coronavírus, que provoca a COVID-19. "Quando você compara o SARS-CoV-1 com o SARS-CoV-2, é surpreendente notório que há um período rápido de adaptação da mutação ao hospedeiro visível no SARS-CoV-1 e não no novo vírus", conta a especialista.

<em>Imagem: Reprodução/Signe Allerslev/Pixabay</em>
Imagem: Reprodução/Signe Allerslev/Pixabay

De forma mais clara, Chan explica que é possível acompanhar uma mudança rápida entre pacientes com o vírus de 2003, que apresentava dezenas de mutações acontecendo entre seus dois ou três primeiros meses de existência, todas funcionais. Já no coronavírus, a mudança é pouca, sendo então classificado como geneticamente estável.

Alina Chan conta que o CDC da China, ainda no ano passado, chegou a considerar que o mercado de Wuhan teria sido apenas uma vítima do coronavírus, e não o que originou o vírus, já que o local abriga o comércio de carne de animais selvagens. A informação chegou à cientista cerca de duas semanas após a publicação de seu estudo, em maio de 2020, que considerava essa possibilidade. No entanto, o CDC não chegou a fornecer respostas concretas sobre a origem do coronavírus.

A cientista conta que muitos jovens cientistas e equipes entraram em cavernas para coletar materiais de dezenas de milhares de morcegos, e que isso vem sendo feito não somente agora, com a pandemia do coronavírus, como ao longo da última década. E nessas missões, muitos acabam não se protegendo da melhor forma, deixando de vestir equipamentos de proteção adequados.

<em>Imagem: Reprodução/photocreo/Envato</em>
Imagem: Reprodução/photocreo/Envato

A maior dúvida de Chan é em como o SARS-CoV-2 teria saído das cavernas do sul da China para se espalhar na região central do país, onde fica Wuhan. "Essa linhagem de vírus pode ser encontrada somente a mil quilômetros ao sul. Wuhan não é um lugar em que você encontra milhões desses vírus habitando em morcegos", questiona. Mesmo com essa possibilidade, Chan deixa claro que ainda acredita que o surgimento do coronavírus através da vida selvagem seja plausível, mas afirma que precisa ser feita uma pesquisa mais profunda e sem influência política para chegar a uma resposta definitiva.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: