Mercado abrirá em 4 h 36 min
  • BOVESPA

    110.909,61
    +2.127,46 (+1,96%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.174,06
    -907,27 (-1,78%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,60
    +0,40 (+0,51%)
     
  • OURO

    1.768,90
    +5,20 (+0,29%)
     
  • BTC-USD

    16.881,41
    +391,14 (+2,37%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,97
    +12,25 (+3,15%)
     
  • S&P500

    3.957,63
    -6,31 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    33.852,53
    +3,07 (+0,01%)
     
  • FTSE

    7.512,00
    +37,98 (+0,51%)
     
  • HANG SENG

    18.460,45
    +255,77 (+1,40%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.542,50
    +17,75 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4671
    +0,0105 (+0,19%)
     

Cientista propõe um método para saber se humanos vivem na Matrix

Um cientista criou um modelo matemático para testar um conjunto de hipóteses que podem dizer se os seres humanos vivem em uma simulação de computador. Embora pareça coisa de ficção científica, vários profissionais renomados nunca descartaram essa hipótese, tendo em vista a imensa quantidade de matemática envolvida no universo e os diversos fenômenos não explicáveis pela ciência.

O professor de Física Melvin M. Vopson, integrante da Universidade de Portsmouth, nos Reino Unido, propôs um protocolo experimental para comprovar ou refutar tal teoria. Vopson acredita o universo simulado contém muitos bits de informação em todos os lugares, dados não visíveis a olho nu, mas que compõem a "quinta forma de matéria".

O experimento envolve "apagar" a informação contida dentro das partículas elementares, deixando as antipartículas (aquelas com carga negativa) aniquilá-las com um flash de fótons. Para fazer isso, o estudioso diz ter calculado o "conteúdo de informação" esperado por partícula elementar.

Melvin Vopson explica ter previsto uma faixa de frequências esperadas dos fótons resultantes desse bombardeio com base na "física da informação". Ele garante ser possível realizar os testes com as atuais ferramentas, mas precisa arrecadar fundos para realizar os experimentos.

Existem outras abordagens igualmente interessantes também. O falecido físico John Barrow argumentou que uma simulação criaria pequenos erros computacionais que o programador precisaria consertar para mantê-la funcionando. Isso refletiria nas constantes fundamentais da natureza que podem mudar conforme o tempo — monitorá-las, portanto, seria uma opção viável para se chegar à conclusão.

Teoria do universo simulado

A teoria da simulação tem como uma das bases a imensa dificuldade de estudiosos do mundo inteiro de explicar constantes físicas. O surgimento do Big Bang, a expansão do universo, a incrível variedade de planetas e outros aspectos, no mínimo, curiosos.

Os cientistas não conseguirem explicar como um imenso espaço vazio conseguiu se modificar a ponto de oferecer condições adequadas para a vida. Como as leis e constantes físicas se alinharam tão perfeitamente para possibilitar a formação de estrelas, planetas, em especial este azul no qual os humanos despontaram?

O professor alega que tal conjunto de fatores não seria mera consequência: tudo seria uma imensa simulação, ao estilo Matrix, criada e constantemente ajustada por alguém. O estudioso chega a mencionar uma espécie alienígena avançada, mas deixa em aberto a resposta.

Vopson alega existir algumas evidências sugerindo que nossa realidade física pode ser uma realidade virtual simulada. "Qualquer mundo de realidade virtual será baseado no processamento de informações. Isso significa que tudo é digitalizado até um tamanho mínimo que não pode ser subdividido ainda mais: bits", explica.

Esse modelo lembra alguma coisa para você? Segundo o professor, parece imitar a nossa realidade da mecânica quântica, com os átomos e partículas. Os bits do Espaço seriam ainda menores, com reduzida energia, comprimento e "tempo". "Simplificando, nosso mundo é pixelado", afirma.

Física da informação

A física da informação entende que as leis que regem o universo são fruto de programação matemática (Imagem: Compare Fibre/Unsplash)
A física da informação entende que as leis que regem o universo são fruto de programação matemática (Imagem: Compare Fibre/Unsplash)

Existe uma vertente da física destinada a estudar algo muito específico: o fluxo de informações como fator desencadeante dos fenômenos naturais. Esse ramo científico, chamado "física da informação", sugere que o espaço-tempo e a matéria são compostos por bits de dados informáticos.

Tais conceitos são vistos como algo inatingível pelas pessoas, mas perfeitamente controlados pela simulação na qual os seres humanos estão inseridos. Na prática, significa dizer que os aliens (ou quem estiver no comando) poderiam fazer ajustes eventuais para melhorar ou piorar as coisas. Sabe quando você joga um game de simulação como The Sims, onde controla o tempo e todas as atividades das pessoas? Seria algo mais ou menos nessa linha.

Para reforçar a tese desses cientistas, Vopson cita novamente os átomos. Essa unidade fundamental da matéria não possui temperatura, mas a sua movimentação excessiva gera calor. Como os átomos conseguem fazer isso se não possuem uma propriedade intrínseca?

Estudiosos do ramo entendem que as leis da física, responsáveis por tudo no universo, também se assemelhariam a linhas de código de computação. "Equações matemáticas, números e padrões geométricos estão presentes em todos os lugares — o mundo parece ser inteiramente matemático", analisa.

Esta ideia não é nova

O filme Matrix já foi mencionado como um exemplo de simulação, mas o conceito é mais antigo. Em 1989, o físico John Archibald Wheeler sugeriu que o universo é fundamentalmente matemático e pode ter emergido da informação, o que o fez cunhar o termo "it from bit". O “it” seria a matéria presente no espaço e o "bit" (termo usado na ciência da computação) seria a observação humana dos fenômenos universais.

Em 2003, o filósofo Nick Bostrom, da Universidade de Oxford, no Reino Unido, formulou sua Hipótese da Simulação. Bostrom argumenta que a humanidade teria chegado a um nível tão avançado de tecnologia que poderia ter criado diversos universos simulados. Os habitantes desses universos seriam os seres humanos, que acreditam estar conscientes da sua existência dado o realismo da simulação, mas seriam apenas IAs baseadas em aprendizado de máquina.

Imagine um computador quântico como esse, porém capaz de simular o universo inteiro (Imagem: Reprodução/IBM Research)
Imagine um computador quântico como esse, porém capaz de simular o universo inteiro (Imagem: Reprodução/IBM Research)

O físico Seth Lloyd, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, elevou a hipótese de simulação para o próximo nível. O estudioso sugeriu que todo o Universo poderia ser fruto de um computador quântico gigante.

Ainda não existe uma conclusão, pois os experimentos concretos nunca foram feitos. A verdade é que os mistérios da realidade parecem ir muito além da compreensão humana atual. Volpi pode ser o primeiro a trazer esse conjunto de teorias para o ambiente prático.

Ele termina seu artigo com uma provocação: "Quanto mais levarmos a sério a hipótese da simulação, maiores serão as chances de um dia podermos prová-la ou refutá-la". Será que o final do filme Homens de Preto é verdadeiro? Ou será que algum dia os humanos vão tomar a pílula vermelha para acordar em um mundo dominado pelas máquinas?

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: