Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.962,70
    -104,70 (-0,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Cientista descobrem moléculas que diminuem envelhecimento do cérebro

Em novo estudo, cientistas levantaram uma descoberta: moléculas capazes de diminuir o envelhecimento do cérebro. Mais precisamente, uma classe de lipídios chamada SGDGs (3-sulfogalactosil diacilgliceróis), que diminui no cérebro com a idade e pode ter efeitos anti-inflamatórios.

A pesquisa, publicada na Nature Chemical Biology, revela novos mecanismos subjacentes a doenças neurológicas relacionadas à idade e oferece oportunidades futuras para intervenção terapêutica.

Segundo os autores, no cérebro, os níveis de lipídios são muito diferentes em camundongos mais velhos do que em camundongos mais jovens; todos os lipídios relacionados à família SGDG mudam significativamente com a idade, e podem ser regulados por processos que são conhecidos por regular o envelhecimento.

A análise mostrou que esses lipídios possuem propriedades anti-inflamatórias, o que pode ter implicações para distúrbios neurodegenerativos e outras condições neurológicas que envolvem aumento da inflamação no cérebro.

Cientista descobrem moléculas que diminuem envelhecimento do cérebro (Imagem: cookelma/envato)
Cientista descobrem moléculas que diminuem envelhecimento do cérebro (Imagem: cookelma/envato)

A equipe também descobriu que as moléculas SGDGs existem em cérebros humanos e primatas, e podem desempenhar um papel importante em outros animais além dos camundongos. No entanto, mais pesquisas serão necessárias para mostrar se os SGDGs contribuem para a neuroinflamação humana.

No futuro, a equipe pretende examinar como os SGDGs são regulados com o envelhecimento e quais proteínas são responsáveis ​​por produzir, o que pode abrir as portas para a descoberta de novas atividades genéticas associadas ao envelhecimento.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: