Mercado fechará em 3 h 15 min

Cielo enxerga espaço para recuperar mais margens em adquirência

SÃO PAULO (Reuters) - A Cielo está recuperando margens nos negócios de adquirência e vê chance de estender esse ciclo nos próximos trimestres, à medida que o mercado pratica preços mais racionais, disseram executivos nesta terça-feira.

"A rentabilidade média da adquirência ainda está abaixo do custo de capital", disse o diretor de finanças e de relações com investidores da Cielo, Filipe Augusto Oliveira, durante teleconferência com jornalistas sobre resultados trimestrais.

Maior empresa de meios eletrônicos de pagamentos do país, a Cielo divulgou na noite de segunda-feira que seu lucro do terceiro trimestre praticamente dobrou em relação a um ano antes, favorecida por uma combinação de aumento de margens, controle de custos e corte de subsídios a lojistas.

"(Houve) uma boa entrega geral, equilibrando crescimento com lucratividade, suporta estimativas otimistas", afirmou em relatório a equipe do Itaú BBA liderada por Pedro Leduc.

Ainda assim, a ação da empresa era alvo de realização de lucros nesta sessão na B3, caindo 5% às 11h15, enquanto o Ibovespa cedia 0,1%. No acumulado do ano, o papel da Cielo já subiu mais de 150%.

O presidente-executivo da Cielo, Estanislau Bassols, disse na teleconferência que a empresa está agora mais resiliente do que nos últimos anos para enfrentar mudanças no mercado de pagamentos no Brasil, com uma gestão mais dinâmica e apoiada na melhor gestão de custos.

(Por Aluísio Alves)