Mercado fechará em 2 h 29 min
  • BOVESPA

    111.741,71
    +832,10 (+0,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.383,29
    +209,23 (+0,42%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,30
    +2,10 (+2,69%)
     
  • OURO

    1.767,40
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    16.883,87
    +496,21 (+3,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    400,89
    +0,20 (+0,05%)
     
  • S&P500

    3.956,02
    -1,61 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.716,59
    -135,94 (-0,40%)
     
  • FTSE

    7.590,43
    +78,43 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    18.597,23
    +392,55 (+2,16%)
     
  • NIKKEI

    27.968,99
    -58,85 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    11.550,50
    +25,75 (+0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4192
    -0,0374 (-0,69%)
     

Cidades do interior de São Paulo sentem reflexos dos bloqueios golpistas

CAMPINAS, SP (FOLHAPRESS) - Os reflexos dos bloqueios ilegais já começam a afetar a normalidade das cidades da região de Campinas, interior de São Paulo. Em Limeira, por exemplo, o prefeito, Mario Botion (PSD), decretou situação de emergência pública no município por causa da falta de combustíveis em postos. A reportagem ligou para vários deles, mas as ligações não foram atendidas.

O decreto determina que os postos reservem ao menos 5% do combustível (gasolina, etanol e diesel) disponível para a venda aos veículos da frota do município que realizam serviços essenciais. Todos os postos da cidade são obrigados a garantir a reserva para o município.

Segundo a Prefeitura, a situação se tornará mais rigorosa, caso a escassez de combustível caso os 5% de reserva de combustível não garanta a prestação de serviços essenciais. Nesse caso, o município poderá bloquear a venda para os demais consumidores, como forma de garantir o atendimento aos serviços públicos essenciais.

A Prefeitura da Estância de Amparo informou que por conta dos bloqueios, a partir desta quinta-feira (3), não haverá coleta de lixo na cidade, já que não conseguem dar vazão aos resíduos sólidos destinados à estação de transbordo localizada no antigo aterro sanitário de Amparo. A estrutura chegou ao limite, com capacidade máxima de armazenamento alcançada.

O material seria normalmente destinado ao aterro sanitário localizado em Paulínia, porém, não é possível chegar ao destino final devido aos bloqueios ilegais dos manifestantes bolsonaristas.

"A Prefeitura solicita a compreensão de todos, mas informa que a partir de amanhã será impossível promover a coleta de lixo, assim solicita que não sejam colocados os resíduos nas ruas, até que a situação seja amenizada", reforçou.

A medida atinge também o lixo hospitalar, que também teve a coleta suspensa.

Segundo a assessoria de Amparo, representantes dos municípios de Águas de Lindóia, Monte Alegre do Sul, Serra Negra, Tuiuti, Morungaba, Vargem, Pinhalzinho e Toledo, essa última em Minas Gerais, que também usam o transbordo de Amparo, farão uma reunião extraordinária para encontrar alguma medida para contornar a situação.

Em Campinas, os bloqueios provocaram nesta quarta-feira (2) uma redução na oferta de produtos na Ceasa (Centrais de Abastecimento de Campinas S.A.).

Segundo o presidente da Ceasa Campinas, Valter Greve, até o momento os estoques estão garantindo o comércio normal de produtos, mas os efeitos no abastecimento poderão ser sentidos caso os bloqueios de rodovias continuem nos próximos dias.

A Apas (Associação Paulista de Supermercados) informou que orientou, na última segunda-feira) os 4.500 supermercados associados a antecipar a logística em relação às suas lojas e centros de distribuição, a fim de garantir que o setor consiga abastecer a sociedade de forma segura e sem interrupção.

"Pontualmente, alguns supermercados de algumas regiões do Estado de São Paulo, apesar de todos os esforços, passaram a relatar a falta de alguns itens dos setores de frutas, legumes, verduras e do açougue", afirma a entidade, que diz acreditar que a situação estará normalizada nos próximos dias.

Segundo a PRF (Polícia Rodoviária Federal), as multas aplicadas em razão dos bloqueios já são quase 2.000 e ultrapassam R$ 18 milhões.