Mercado fechará em 3 h 55 min
  • BOVESPA

    100.669,63
    +117,20 (+0,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.419,71
    -249,54 (-0,65%)
     
  • PETROLEO CRU

    40,79
    +0,76 (+1,90%)
     
  • OURO

    1.901,00
    -28,50 (-1,48%)
     
  • BTC-USD

    12.929,16
    +1.872,15 (+16,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    261,02
    +4,92 (+1,92%)
     
  • S&P500

    3.433,55
    -2,01 (-0,06%)
     
  • DOW JONES

    28.187,71
    -23,11 (-0,08%)
     
  • FTSE

    5.765,69
    -10,81 (-0,19%)
     
  • HANG SENG

    24.786,13
    +31,71 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    23.474,27
    -165,19 (-0,70%)
     
  • NASDAQ

    11.565,75
    -125,50 (-1,07%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5984
    -0,0516 (-0,78%)
     

Cidades europeias lançam projeto pioneiro de transparência em uso de IA

Ramon de Souza
·2 minutos de leitura

As cidades de Amsterdã (capital da Holanda) e Helsinque (capital da Finlândia) acabam de marcar seu pioneirismo ao inaugurar, simultaneamente, um registro público com todos os algoritmos de inteligência artificial (IA) utilizados por entidades governamentais e serviços à população. Com isso, os cidadãos terão acesso a uma biblioteca permanente e atualizada explicando como tais tecnologias estão sendo utilizadas nos municípios.

Cada registro explica como e para quê o algoritmo é usado, tal como demonstra os conjuntos de dados usados para treinar seus modelos mentais e explica o que é feito para evitar comportamentos prejudiciais. Há até mesmo uma seção de “riscos” que aborda eventuais perigos que o uso indevido daquele algoritmo pode representar à sociedade. O objetivo do projeto é aumentar a confiança da população sobre tal tipo de tecnologia.

Como exemplo, acessamos o registro de Helsinque e estudamos o chatbot usado pelo serviço público de saúde da cidade. Além de uma explicação aprofundada sobre o recurso, a página oferece os contatos dos responsáveis pelo algoritmo, explica sobre a arquitetura de processamento de dados e até mesmo garante que tudo é supervisionado por analistas humanos, que identificam eventuais necessidades de remapear respostas.

Segundo um recente estudo da Oxford Insights, a Holanda e a Finlândia são os países “mais preparados” para implementar recursos de inteligência artificial em serviços públicos. Vale lembrar que, ao longo dos últimos anos, algoritmos falhos, ineficazes e/ou preconceituosos resultaram em polêmicas globais e até mesmo protestos ao redor do mundo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: