Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.113,93
    +412,93 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.726,98
    +212,88 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,07
    -0,06 (-0,10%)
     
  • OURO

    1.777,30
    -2,90 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    55.717,03
    -5.681,20 (-9,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,97
    +7,26 (+0,52%)
     
  • S&P500

    4.185,47
    +15,05 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    34.200,67
    +164,67 (+0,48%)
     
  • FTSE

    7.019,53
    +36,03 (+0,52%)
     
  • HANG SENG

    28.969,71
    +176,61 (+0,61%)
     
  • NIKKEI

    29.683,37
    +40,67 (+0,14%)
     
  • NASDAQ

    14.024,00
    -5,50 (-0,04%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6904
    -0,0307 (-0,46%)
     

Cidades do Amapá têm novo apagão

NICOLA PAMPLONA
·3 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O fornecimento de energia foi interrompido em 15 das 16 cidades do Amapá na noite desta quinta (8). O problema foi causado por uma falha no sistema de transmissão que conecta Macapá ao resto do país. O ONS (Operador Nacional do Sistema Elétrico) diz que a interrupção ocorreu às 18h34, derrubando uma carga de 200 MW (megawatts). O processo de recomposição do fornecimento, segundo o operador, começou às 19h02. São as mesmas cidades afetadas pelo apagão de novembro de 2020, após explosão em uma subestação na capital do estado. O sistema de transmissão, formado por linhas de alta tensão e subestações, é operado pela LMTE (Linhas de Macapá Transmissão de Energia). Em nota, o ONS afirmou que avaliará as causas da ocorrência junto aos agentes envolvidos. A falha ocorreu num trecho da linha que liga Almeirim, no Pará, a Laranjal do Jari, no Amapá. A LMTE diz que a causa da ocorrência está sendo avaliada. "A LMTE destaca que sua subestação Macapá e os três transformadores da subestação Macapá funcionam sem intercorrências", afirmou, em nota, a companhia. A indisponibilidade de um dos transformadores da subestação Macapá foi apontada como uma das causas do apagão de 2020. Em fevereiro, a Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) aplicou multa de R$ 3,6 milhões à LMTE, alegando que o apagão foi provocado por falhas de manutenção em suas instalações. Foi a maior multa da história da agência, em termos de percentual sobre o faturamento de um agente do setor. A fiscalização da Aneel diz ter encontrado 21 não conformidades, entre elas a indisponibilidade de um dos três transformadores da subestação, que estava parado desde dezembro de 2019 e deveria ter sido acionado depois que a explosão danificou os dois equipamentos disponíveis. Em recurso, a empresa alega que a punição da Aneel foi estabelecida antes do fim do resultado das perícias e que não foram investigadas as responsabilidades de outros agentes do setor elétrico responsáveis pelo planejamento da segurança energética do Amapá. O estado é conectado ao sistema interligado nacional de energia por linhas de transmissão que partem da usina hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, rumo a Manaus, com uma perna até Macapá. O único município que não foi afetado, Oiapoque, não está ligado a esse sistema. Em relatório sobre o apagão de 2020, o ONS pediu estudos para a construção de uma nova subestação no estado, criando mais um sistema de redundância. O Amapá tem três hidrelétricas, que podem gerar até quase três vezes o consumo do estado mas operavam com capacidade reduzida quando o transformador explodiu em novembro. Além dos transtornos causados à população, o apagão provocou o adiamento do primeiro turno das eleições em Macapá. No comunicado divulgado após o apagão desta quinta quinta, a LMTE alega que ocorrências em linhas de transmissão ocorrem diariamente no Brasil. "No caso particular, expõe a fragilidade do sistema de energia do Amapá, que não conta com redundância devido a questão de planejamento setorial". O ONS afirmou que "assim que identificou o problema, atuou prontamente para restabelecer o mais rápido possível o fornecimento de energia na região".