Mercado abrirá em 2 h 45 min
  • BOVESPA

    110.786,43
    +113,67 (+0,10%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.298,20
    -104,50 (-0,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,92
    -0,50 (-0,60%)
     
  • OURO

    1.785,90
    +1,00 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    66.434,10
    +2.339,96 (+3,65%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.562,14
    +81,34 (+5,49%)
     
  • S&P500

    4.536,19
    +16,56 (+0,37%)
     
  • DOW JONES

    35.609,34
    +152,03 (+0,43%)
     
  • FTSE

    7.198,50
    -24,60 (-0,34%)
     
  • HANG SENG

    26.017,53
    -118,49 (-0,45%)
     
  • NIKKEI

    28.708,58
    -546,97 (-1,87%)
     
  • NASDAQ

    15.349,00
    -28,50 (-0,19%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4485
    -0,0711 (-1,09%)
     

Cidade do Rio confirma primeiro caso da variante mu do coronavírus

·2 minuto de leitura

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) - O secretário municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Daniel Soranz, confirmou nesta sexta-feira (17) o primeiro caso na cidade da variante mu, mutação do coronavírus identificada inicialmente em janeiro deste ano na Colômbia.

Segundo Soranz, a infecção pela nova cepa ocorreu em uma pessoa que viajou recentemente ao México.

"Não é um caso de transmissão local. Foi diagnosticado, mas a gente não tem nenhuma característica de transmissão local", disse o secretário durante o lançamento do 37º boletim epidemiológico do Rio.

Em agosto, a OMS (Organização Mundial da Saúde) classificou a mu como variante de interesse, ou seja, a entidade está monitorando a cepa por identificar nela mutações que podem escapar à proteção conferida pelas vacinas. São necessários, porém, estudos para confirmar isso.

A OMS afirmou também que já foram registrados casos esporádicos na Europa e na América do Sul (para além da Colômbia). A prevalência mundial da cepa, disse a agência, é abaixo de 0,1%, mas tem aumentado na Colômbia e no Equador, representando 39% e 13% dos casos, respectivamente.

Na cidade do Rio, a delta continua sendo a variante prevalente. Após uma escalada no número de casos e de internações em agosto, quando chegou a ser classificada como epicentro da pandemia pelo prefeito Eduardo Paes (PSD), a capital fluminense vive uma queda nos indicadores da doença.

Segundo o último boletim epidemiológico, houve uma redução no atendimento a pacientes com síndrome respiratória aguda grave (SRAG) na rede de urgência e emergência.

Na semana passada, também houve uma queda de 47% nas internações no SUS em comparação com três semanas atrás.

"A gente está tendo uma redução muito importante de internações e de casos, o que vai se refletir na redução de óbitos. O nosso panorama epidemiológico é um dos melhores que a gente teve na pandemia", disse o secretário, acrescentando que, com o avanço da vacinação, a tendência é que os números continuem caindo.

Na cidade do Rio, 61% das pessoas acima dos 18 anos completaram o esquema vacinal (veja como está a campanha contra Covid em outras partes do Brasil).

Na quarta (15), entrou em vigor na capital fluminense o chamado passaporte da vacina, ou seja, a determinação que obriga as pessoas a apresentarem certificado de vacinação para o ingresso em lugares de uso coletivo.

Já nesta sexta-feira, a prefeitura anunciou que vai liberar eventos em locais abertos com lotação máxima de 500 pessoas. A medida passa a valer a partir da próxima terça-feira (21).

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos