Mercado abrirá em 9 h 51 min
  • BOVESPA

    110.235,76
    +1.584,71 (+1,46%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.808,21
    +566,41 (+1,20%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,74
    -0,19 (-0,21%)
     
  • OURO

    1.800,50
    -13,20 (-0,73%)
     
  • BTC-USD

    24.274,73
    +1.357,87 (+5,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    572,60
    +41,38 (+7,79%)
     
  • S&P500

    4.210,24
    +87,77 (+2,13%)
     
  • DOW JONES

    33.309,51
    +535,11 (+1,63%)
     
  • FTSE

    7.507,11
    +18,96 (+0,25%)
     
  • HANG SENG

    19.849,67
    +238,83 (+1,22%)
     
  • NIKKEI

    27.819,33
    -180,63 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.432,00
    +40,00 (+0,30%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2388
    -0,0076 (-0,14%)
     

Cidade perdida de Natounia, com 2.000 anos, é encontrada no Curdistão iraquiano

Arqueólogos dizem ter encontrado uma cidade perdida próxima às ruínas de um forte no Curdistão iraquiano. É Natounia, uma cidade real fortificada conhecida, anteriormente, apenas através de moedas antigas encontradas em outros locais. Escavações e um mapeamento aéreo feito por drones foram alguns dos métodos usados para redescobrir a cidade.

O local é próximo à fortaleza montanhosa de Rabana-Merquly, um dos grandes centros principais do Império Parta, que dominava a região há 2.000 anos. Circundando a região, há o Monte Piramagrun, das Montanhas Zagros, com muralhas fortificadas de 4 km de extensão e dois assentamentos adornados com o que parecem ser quartéis, relevos em pedra e um complexo religioso, provavelmente dedicados à deusa do zoroastrismo Anahita.

Relatos do achado foram publicados na revista científica Antiquity.

Assentamento de Merquly: no zoom, a provável construção que serviu de quartel para o forte (Imagem: Rabana-Merquly Archaeological Project)
Assentamento de Merquly: no zoom, a provável construção que serviu de quartel para o forte (Imagem: Rabana-Merquly Archaeological Project)

Desvendando a cidade perdida de Natounia

Segundo os cientistas, o esforço considerável que as evidências mostram ter sido feito para o planejamento, construção e manutenção de um forte desse tamanho aponta para atividades governamentais.

O assentamento é complexo e grande o suficiente para que os pesquisadores acreditem ser a cidade perdida de Natounia, ou Natounissarokerta — ou seja, dedicata a Natounissar, fundador da dinastia real de Adiabene, um antigo reino do norte da Mesopotâmia.

A única evidência da cidade, até o achado, eram algumas moedas datadas do primeiro século a.C., encontradas na cidade atual de Nusaybin, no sudeste da Turquia. Embora ainda esteja carregado de especulação, o acho do local providenciou uma série de pistas que reforçam bastante a ideia de que Rabana-Merquly seja a cidade perdida de Natounia.

Relevo do possível Natounissar. À direita, figura de Attalos, rei de Adiabene, encontrado em Hatra, para comparativo (Imagem: Rabana-Merquly Archaeological Project)
Relevo do possível Natounissar. À direita, figura de Attalos, rei de Adiabene, encontrado em Hatra, para comparativo (Imagem: Rabana-Merquly Archaeological Project)

A datação da cidade é uma dessas pistas: as inscrições nas moedas sugerem que elas tenham sido cunhadas durante a primeira metade do século 1 a.C., o que coincide com a época estimada para as ruínas do assentamento no Curdistão. O nome do lugar, Natounissarokerta, além de ser composto do nome real de Natounissar, também contém a palavra parta para "fosso" ou "fortificação". É uma descrição que combina com o local encontrado.

Além disso, há dois relevos em pedra nos portões de Rabana-Merquly, que representam um governante em tamanho real e com um chapéu cerimonial. Não há inscrições que o identifiquem, mas os arqueólogos notam uma semelhança grande com outros relevos de líderes da era parta — como a do rei Attalos, em Hatra —, o que pode significar que a figura seja Natounissar ou um de seus descendentes diretos.

Por fim, o local também contém um dica por si só: ele fica na fronteira leste de Adiabene, que foi governada pelos reis de uma dinastia local vassala do Império Parta. É possível que o assentamento tenha se tornado uma passagem vital na orla exterior do reino, utilizada para comercializar ou, talvez, fazer pressão militar nas tribos pastorais logo além da fronteira.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos