Mercado abrirá em 1 h 48 min
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,21 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,67
    -1,28 (-1,73%)
     
  • OURO

    1.811,60
    -5,60 (-0,31%)
     
  • BTC-USD

    39.543,36
    -1.981,51 (-4,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    963,05
    +13,15 (+1,38%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,03 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.095,41
    +63,11 (+0,90%)
     
  • HANG SENG

    26.235,80
    +274,77 (+1,06%)
     
  • NIKKEI

    27.781,02
    +497,43 (+1,82%)
     
  • NASDAQ

    15.007,25
    +51,50 (+0,34%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1960
    +0,0080 (+0,13%)
     

Cidade indígena se confina na Guatemala após aumento dos casos de covid

·2 minuto de leitura
Policial municipal patrulha rua vazia devido ao confinamento decretado para conter o avanço da covid-19 em San Martín Jilotepeque, Guatemala, em 9 de julho de 2021

Com lojas fechadas e ruas desertas, cerca de 90 mil habitantes da cidade indígena de San Martín Jilotepeque, no oeste da Guatemala, permaneciam confinados nesta sexta-feira (9), na tentativa de conter as infecções por covid-19, que voltaram a aumentar no país centro-americano.

“Foi tomada a decisão de criar um cordão sanitário total, onde a mobilidade é restrita”, disse à AFP Bartolomé Chocoj, prefeito do município de Maya-kaqchikel, localizado a cerca de 30 quilômetros da Cidade da Guatemala.

Chocoj explicou que decidiram fechar o município após saberem de várias infecções não relatadas nas estatísticas oficiais do Ministério da Saúde, que registram atualmente 1.190 casos suspeitos, 98 pessoas em quarentena e 14 mortes por covid-19. “Há casos que nunca foram registrados, que nunca foram encaminhados a um médico (...). Foram riscos latentes ou são casos que andaram na rua e que podem representar o contágio de outras pessoas”, acrescentou.

O município ficará cercado até domingo, com a vigilância de policiais e militares, que permitem a entrada de pessoas e veículos em casos especiais e a entrega de alimentos em domicílio. Além disso, comércios permanecerão fechados, como o mercado municipal, onde diversos fornecedores mostraram-se insatisfeitos com a medida.

“Temos que fazer pagamentos, como aluguel, filhos para sustentar. Se não vamos morrer de covid, vamos morrer de fome”, lamentou Elena Xajil, 36, comerciante de verduras. “Para nós é uma grande perda, porque vivemos disso, não temos outro emprego”, disse o vendedor de frutas Antonio Lobos (58).

Ao longo de 2020, autoridades guatemaltecas estabeleceram cordões sanitários em vários municípios para controlar a disseminação do vírus. Em alguns casos, ocorreram confrontos entre policiais e moradores insatisfeitos com as restrições.

Com 17 milhões de habitantes, a Guatemala somava 314.302 casos e 9.643 mortes por covid-19 nesta sexta-feira. Embora nos últimos dias as infecções estejam em torno de 3.000 em 24h, o presidente Alejandro Giammattei, criticado por seu enfrentamento da pandemia, descartou o fechamento das fronteiras, como fez entre março e setembro de 2020.

hma/dg/jc/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos