Mercado fechará em 5 h 54 min
  • BOVESPA

    108.941,68
    -160,32 (-0,15%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.599,38
    -909,02 (-1,73%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,94
    -0,20 (-0,23%)
     
  • OURO

    1.838,10
    +6,30 (+0,34%)
     
  • BTC-USD

    33.298,20
    -2.480,98 (-6,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    758,41
    +515,73 (+212,52%)
     
  • S&P500

    4.397,94
    -84,79 (-1,89%)
     
  • DOW JONES

    34.265,37
    -450,03 (-1,30%)
     
  • FTSE

    7.393,38
    -100,75 (-1,34%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    -309,09 (-1,24%)
     
  • NIKKEI

    27.588,37
    +66,11 (+0,24%)
     
  • NASDAQ

    14.298,75
    -127,75 (-0,89%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1833
    -0,0067 (-0,11%)
     

Ciclo menstrual pode atrasar após vacina contra Covid, aponta estudo

·2 min de leitura
Os cientistas analisaram no estudo dados anônimos de um aplicativo de acompanhamento da fertilidade entre mulheres de 18 a 45 anos que não usavam contraceptivos hormonais (AFP/Scott Eisen)

Mulheres vacinadas contra a Covid-19 experimentaram um leve atraso, de quase um dia, em seu ciclo menstrual, em comparação com as não vacinadas, aponta um estudo financiado pelo governo dos Estados Unidos e publicado nesta quinta-feira.

O número de dias de sangramento, no entanto, não foi afetado, concluiu a pesquisa, feita com quase 4 mil pessoas e publicada na "Obstetrics & Gynecology". A autora principal, Alison Edelman, da Universidade de Ciências e Saúde do Oregon, disse à AFP que os efeitos são pequenos e devem ser temporários.

O leve aumento na duração do ciclo menstrual não é clinicamente significativo. Qualquer mudança de menos de oito dias é classificada como normal pela Federação Internacional de Ginecologia e Obstetrícia.

Os cientistas analisaram no estudo dados anônimos de um aplicativo de acompanhamento da fertilidade entre mulheres de 18 a 45 anos que não usavam contraceptivos hormonais. Duas mil e quatrocentas participantes foram vacinadas, a maioria com a Pfizer (55%), seguida da Moderna (35%) e da Johnson & Johnson (7%). Foram incluídas para comparação cerca de 1.500 mulheres não vacinadas.

Entre o grupo vacinado, foram colhidos dados de três ciclos menstruais consecutivos antes da vacinação e de mais três ciclos consecutivos, incluindo o(s) ciclo(s) em que a vacinação ocorreu. Para as não vacinadas, os dados foram colhidos por seis ciclos consecutivos.

- Resposta imunológica à vacina -

Em média, a primeira dose da vacina foi associada a um aumento de 0,64 dia na duração do ciclo menstrual, e a segunda dose, a um aumento de 0,79 dia, na comparação do grupo vacinado com o grupo não vacinado. A resposta do sistema imunológico à vacina pode estar por trás da mudança.

"Sabemos que o sistema imunológico e o sistema reprodutivo estão relacionados", explicou Alison. As alterações parecem mais acentuadas quando a vacinação é feita no início da fase folicular, que começa no primeiro dia do período menstrual (sangramento) e termina no início da ovulação.

Um subgrupo de mulheres que receberam duas doses da Pfizer ou Moderna no mesmo ciclo, em vez de dois ciclos diferentes, observou um aumento médio na duração do ciclo de dois dias, mas o efeito novamente parece ser temporário.

A equipe espera colher mais dados sobre os ciclos subsequentes entre as mulheres vacinadas, para confirmar um retorno de longo prazo à linha de partida, e expandir o estudo globalmente, a fim de diferenciar os efeitos entre as marcas de vacina.

la/ia/to/ag/gm/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos