Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    48.452,18
    +1.014,93 (+2,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.530,00
    +12,25 (+0,08%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

Ciclo de 200 milhões de anos no campo magnético da Terra é confirmado

·2 minuto de leitura

Uma equipe de pesquisadores analisou um fluxo antigo de lava no leste da Escócia para estudar o campo magnético da Terra, que está sempre mudando sua direção e intensidade. Com o magnetismo gravado na lava antes da sua solidificação, os cientistas puderam sustentar a hipótese de que o campo magnético tem ciclos de 200 milhões de anos.

De acordo com os resultados, o nosso campo magnético, que protege o planeta das erupções solares, se enfraquece a cada 200 ou 300 milhões de anos, para depois se fortalecer novamente. Esses períodos de enfraquecimento estão por sua vez relacionados à inversão dos polos magnéticos da Terra.

A equipe também usou esses registros geológicos do campo magnético para verificar outras medições feitas nas últimas décadas, a fim de verificar se a história do campo magnético da Terra foi corretamente descrita pelas pesquisas anteriores. Em outras palavras, eles analisaram a precisão das medições de outras amostras datadas de 200 a 500 milhões de anos atrás, coletadas nos últimos 80 anos.

A magnetosfera da Terra protege o planeta dos ventos e erupções solares (Imagem: Reprodução/NASA)
A magnetosfera da Terra protege o planeta dos ventos e erupções solares (Imagem: Reprodução/NASA)

Eles descobriram que entre 332 e 416 milhões de anos atrás — período que foi batizado de Dipolo Paleozoico Médio —, a força do campo magnético era inferior a um quarto do que é hoje. Esse período apresenta um magnetismo bem semelhante ao de outra época, 120 milhões de anos atrás. Essas datas concordam com a ideia de que existe um ciclo de 200 milhões de anos, e fornecem novas pistas importantes sobre nossa magnetosfera.

Essa compreensão é uma importante peça para entendermos os mecanismos do campo magnético terrestre, importante não só para nos proteger das tempestades solares, como também parece proteger a vida terrestre dos raios UV-B. Um estudo recente sugeriu que a extinção em massa Devoniano-Carbonífera está relacionada a níveis elevados desses raios ultravioleta e coincide com as medições de campo magnético mais fracos do período Dipolo Paleozoico Médio.

Se este ciclo for real e continuar a se repetir, é certo que enfrentaremos uma situação nunca antes vivenciada pela civilização tecnológica. Por isso, os cientistas ainda não têm muita certeza de qual será o efeito do próximo decaimento em nossas tecnologias, já que, na última vez em que isso aconteceu, não tínhamos nenhum dos equipamentos que usamos hoje.

A pesquisa foi publicada no PNAS.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos