Mercado fechará em 2 h 28 min
  • BOVESPA

    110.212,65
    +1.724,77 (+1,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.846,80
    +328,50 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    109,78
    -0,50 (-0,45%)
     
  • OURO

    1.846,10
    +4,00 (+0,22%)
     
  • BTC-USD

    30.107,37
    +29,00 (+0,10%)
     
  • CMC Crypto 200

    675,92
    +1,04 (+0,15%)
     
  • S&P500

    3.955,95
    +54,59 (+1,40%)
     
  • DOW JONES

    31.815,82
    +553,92 (+1,77%)
     
  • FTSE

    7.513,44
    +123,46 (+1,67%)
     
  • HANG SENG

    20.470,06
    -247,18 (-1,19%)
     
  • NIKKEI

    27.001,52
    +262,49 (+0,98%)
     
  • NASDAQ

    11.923,00
    +82,25 (+0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1266
    -0,0262 (-0,51%)
     

Cibersegurança em tempos de guerra: como reconhecer a ameaça invisível

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Além de todo impacto humanitário, que é indiscutível e devastador, os efeitos da guerra entre Rússia e Ucrânia têm trazido outra grande preocupação: o aumento dos ataques cibernéticos nas empresas do mundo todo. No conflito atual, a guerra cibernética começou antes até de qualquer embate armado. A internet se tornou a primeira frente de guerra na Ucrânia, com o país recebendo malwares (softwares maliciosos desenvolvidos para infectar o computador de um usuário) que tinham como único objetivo a destruição total dos arquivos e dados.

A guerra digital já é uma realidade, o crime cibernético é similar ao tradicional, do meio físico, apenas mudou para o mundo virtual. E por ser virtual, não está vinculado a uma localização geográfica específica, é um problema mundial. A Cisco Talos, time de inteligência de ameaças, por exemplo, tem trabalhado para a identificação e detecção de ameaças dirigidas à Ucrânia e na verificação da tendência global de agentes de ameaças cibernéticas altamente motivados. Em um de seus últimos relatórios, publicado em março de 2022, observou-se que a cultura do hacktivismo gera riscos altos, especialmente para as empresas.

Trocando em miúdos, isso significa que há uma grande quantidade de agentes que estão apenas começando, e ainda não possuem a sofisticação de uma organização criminosa mais estruturada e de longa duração. Com isso, acabam gerando danos irreparáveis a alvos não intencionais, muitas vezes desativando involuntariamente peças-chave da infraestrutura de um estado ou país, por exemplo, como aconteceu na Ucrânia.

Nesse cenário, os ataques se escalam com agentes cada vez menos “experientes”. E mesmo que os cibercriminosos não conheçam os sistemas que estão atacando, as implicações podem ser sérias, afetando a vida dos cidadãos e também das empresas. Para enfrentar esse cenário, as empresas precisam amadurecer seus processos de segurança e se preparar.

Como se preparar?

Uma das primeiras etapas dessa preparação é o autodiagnóstico da corporação em reconhecer o que não está explícito, entendendo qual ameaça está prestes a acontecer, mas ainda está escondida. A grande pergunta que deve ser respondida nesse momento deve ser: o que eu não estou vendo e pode ser uma ameaça à organização?

Essa não é uma pergunta de resposta rápida e justamente por isso é tão importante o investimento em processos de cibersegurança. Com ferramentas como plano de respostas a incidentes, controle de acesso de usuários com autenticação de múltiplos fatores, continuous trusted access, monitoramento e inspeção do tráfego de rede da empresa e identificação imediata de qualquer anomalia na rede interna, a captura de potenciais novas ameaças ficam mais ágeis e evitam danos irreversíveis à corporação. Nunca é demais falar da necessidade em se investir em segurança, uma vez que as soluções já estão amplamente disponíveis no mercado e a terceirização de serviços de cibersegurança largamente disponibilizadas para companhias de todos os tamanhos.

O momento de intensificar a segurança da informação é agora. Ainda que os efeitos da guerra na Ucrânia sejam limitados neste momento, há uma outra batalha que não conhece barreiras físicas, a cibernética. Mais do que nunca, é hora de aumentar a segurança visto que ameaças corporativas serão cada vez mais financiadas com o dinheiro da guerra, mais sofisticadas e mais nocivas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos