Mercado abrirá em 8 h 40 min
  • BOVESPA

    110.672,76
    -3.755,42 (-3,28%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.402,73
    -283,30 (-0,54%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,38
    -0,58 (-0,70%)
     
  • OURO

    1.774,30
    +3,80 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    64.054,74
    +1.348,43 (+2,15%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.483,38
    +20,02 (+1,37%)
     
  • S&P500

    4.519,63
    +33,17 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    35.457,31
    +198,70 (+0,56%)
     
  • FTSE

    7.217,53
    +13,70 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    26.088,80
    +301,59 (+1,17%)
     
  • NIKKEI

    29.261,51
    +45,99 (+0,16%)
     
  • NASDAQ

    15.380,25
    -18,25 (-0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5128
    +0,0166 (+0,26%)
     

Ciberataques semanais contra empresas no Brasil aumentam 62% em 2021

·3 minuto de leitura

Que os crimes virtuais estão aumentando não é novidade para ninguém, mas de quanto é esse aumento? Segundo a Check Point Software, empresa de soluções financeiras, relata que o número médio de ataques em geral por semana no mundo às organizações cresceu 40% em 2021 em comparação com 2020 e, no Brasil, o aumento foi consideravelmente maior, com uma média semanal de 967 ataques e um crescimento de 62%.

A pesquisa da Check Point Software mostra que os números de ataques virtuais contaram com uma leve diminuição nas semanas anteriores a março de 2020, mas, após esse período, ocorreu um aumento significativo no número médio de ofensivas semanais, com a tendência continuando em 2021.

<em>Gráfico mostrando os ataques semanais em empresas, de jan.20 até set.21. (Imagem: Divulgação/Check Point Software)</em>
Gráfico mostrando os ataques semanais em empresas, de jan.20 até set.21. (Imagem: Divulgação/Check Point Software)

Em setembro de 2021, o número médio de ciberataques semanais em cada organização atingiu globalmente seu pico com mais de 870 ataques. Isso é mais do que o dobro do número de ataques em março de 2020.

Os setores que estão enfrentando os maiores volumes de ciberataques são Educação e Pesquisa, com um aumento de 60% em relação a 2020, seguido pelos setores de governo e militares, aumento de 40% e pelo setor da Saúde comalta de 55%.

<em>Gráfico da média de ataques semanais por regiões. (Imagem: Divulgação/Check Point Software)</em>
Gráfico da média de ataques semanais por regiões. (Imagem: Divulgação/Check Point Software)

Avaliando por regiões, é notável que a Europa e a América do Norte enfrentaram os maiores aumentos em ataques cibernéticos entre 2020 e 2021, com crescimentos de 65% e 57%, respectivamente.

A África, embora seja a região com o maior número de ataques, contou com o menor aumento em relação a 2020, sendo somente de 15%. Em seguida está a região Ásia-Pacífico, com aumento de 20% e, por fim, a América Latina, com aumento de 37%. Olhando especificamente para o Brasil, os crimes virtuais aumentaram 62% em 2021, em comparação com 2020.

Ransomware aumenta no Brasil

Na mesma pesquisa, a Check Point Sofware observou que os ataques semanais de sequestro virtual (ransomware) sofridos por empresas brasileiras aumentaram 8% em 2021, em comparação com 2020. O relatório também constatou que globalmente em 2021, em média, uma em cada 61 empresas foi afetada por ransomware semanalmente, um aumento de 9% em relação a 2020.

O setor de serviços de Interne, segundo a pesquisa, é o mais atacado por ransomware neste ano, com um aumento de 32% em relação a janeiro de 2020. O setor de Saúde está em segundo lugar, com um aumento de 39%, seguido por fornecedores de software em terceiro lugar, que conta com um aumento de 21%.

Nas estatísticas regionais, a região Ásia-Pacifico foi a que apresentou o maior volume de tentativas de ataques ransomware, com uma em cada 34 organizações sendo afetadas semanalmente em 2021. Porém, este numero apresenta uma redução de 10% se comparado com as notificações desses mesmos crimes na região em 2020.

A África também contou com redução de ransomware em relação a 2020, de 7% e, por fim, a América Latina contou com um aumento de casos de sequestro virtual, com 6% a mais de notificações do que as registradas durante o ano passado.

Por fim, o relatório mostra quais foram os malwares que mais afetaram o mundo. O primeiro lugar é ocupado por botnets, que afetaram 8% das instituições (uma redução de 9% em relação a 2020), em seguida está o malware bancário, afetando 4,6% das companhias (um aumento de 26%) e, por fim, em terceiro, malwares criptomineradores, com 4,2% das ocorrências (redução de 22%).

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos