Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.487,88
    +1.482,66 (+1,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.518,30
    +228,39 (+0,45%)
     
  • PETROLEO CRU

    112,70
    +0,49 (+0,44%)
     
  • OURO

    1.845,10
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    29.203,88
    -980,56 (-3,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    650,34
    -23,03 (-3,42%)
     
  • S&P500

    3.901,36
    +0,57 (+0,01%)
     
  • DOW JONES

    31.261,90
    +8,77 (+0,03%)
     
  • FTSE

    7.389,98
    +87,24 (+1,19%)
     
  • HANG SENG

    20.717,24
    +596,56 (+2,96%)
     
  • NIKKEI

    26.739,03
    +336,19 (+1,27%)
     
  • NASDAQ

    11.834,75
    -43,50 (-0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1526
    -0,0662 (-1,27%)
     

Ciência registra primeiro caso de cego congênito com sinestesia [estudo]

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

Pela primeira vez, a ciência registrou o caso de um cego congênito com sinestesia — algo que, na literatura, era debatido anteriormente, com alguns pesquisadores acreditando que a deficiência visual completa desde o nascimento impossibilitaria a condição neurológica, definida, entre outros aspectos, pela sensação de cores e formas em associação a objetos e conceitos.

Quase todas as formas de sinestesia, incluindo as mais famosas, envolvem a visão de alguma forma. Um exemplo é Franz Liszt, virtuoso e compositor clássico, que certa vez pediu à sua orquestra que tocasse "um pouco mais azul" — outro é Richard Feynman, físico que interpretava equações matemáticas a partir de cores, associando números aos tons.

A sinestesia é definida pela associação de cores e formas com conceitos e objetos. Como isso funciona com cegos congênitos, então? (Imagem: nanihta/Envato)
A sinestesia é definida pela associação de cores e formas com conceitos e objetos. Como isso funciona com cegos congênitos, então? (Imagem: nanihta/Envato)

Detalhes do estudo

Publicado no periódico científico Neuropsychologia, o estudo de caso de pesquisadores da Università degli Studi di Trento provou que a sinestesia não requer, na verdade, visão para funcionar. Segundo eles, é um importante passo para preencher algumas lacunas sobre a condição e desvendar alguns mecanismos da comunicação sensorial na mente humana.

O sinestésico estudado é um homem de 40 anos, cuja sinestesia não-visual é descrita como uma sensação nos dedos indicadores que associa números, letras, meses e dias da semana a posições no espaço mental e com sensações táteis de textura. O número 3, por exemplo, tem uma textura semelhante à do veludo, enquanto o mês de abril lhe remete a plástico.

Para testar a sinestesia, os pesquisadores montaram um quadro coberto com 40 quadrados de materiais com várias texturas diferentes, dando ao sujeito alguns minutos para sentir todos eles. Então, junto a dez voluntários não-sinestésicos, foi pedido que sentissem qual material passava mais a sensação de certos números, meses ou dias da semana (com os olhos vendados). Um mês depois, os materiais foram rearranjados aleatoriamente e os indivíduos foram chamados para repetir o experimento.

Os não-sinestésicos, como era esperado, tiveram uma perfomance baixa, selecionando as mesmas texturas para os conceitos anteriormente apresentados com precisão em apenas 7% das vezes. O homem sinestésico se saiu cerca de dez vezes melhor, escolhendo as mesmas texturas do mês anterior com 75% de acurácia. Com isso, os cientistas verificaram a presença de sinestesia número-textura e letra-textura, demonstrando que a característica pode, sim, se desenvolver sem visão.

Como é o primeiro caso reconhecido pela ciência, ele desbanca algumas teorias que se baseavam em uma integração sensorial cruzada do cérebro que geraria a sinestesia. A visão é predominante em muitos aspectos da nossa percepção e na sinestesia, dizem os especialistas, mas não porque nosso cérebro processa o visual de forma diferente dos sons e toques.

A sinestesia cria sinais de entrada gerados internamente, e que, neste caso, até ajudam o homem cego a guardar informações, imaginando texturas para acompanhar números da mesma forma que um indivíduo que vê o faz com cores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos