Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.927,60
    -2,40 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    22.964,31
    +30,45 (+0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Ciência descobre como sinapses do ouvido são mais rápidas e garantem equilíbrio

A ciência já sabia, por pelo menos 30 anos, que as sinapses dos nossos ouvidos eram mais rápidas do que o normal, algo importante para conseguirmos manter o equilíbrio e cair com pouca frequência. Só não conhecíamos os processos envolvidos nessa velocidade, um mistério desvendado por cientistas recentemente, após 15 anos de simulações e muita pesquisa: conheça as transmissões não-quantais.

As estruturas responsáveis pelo nosso equilíbrio são complexas e delicadas, chamadas de sistema vestibular. Quando há problemas nele, corremos o risco de sofrer com vertigens e quedas constantes, o que pode ser muito perigoso, especialmente aos mais velhos. Os reflexos superiores desse sistema conseguem burlar o atraso de 0,5 milissegundos que os neurotransmissores normalmente enfrentam. Mas como?

A anatomia dos nossos ouvidos é complexa e cheia de pequenas partes, essenciais não só para a audição, mas também para o equilíbrio do corpo (Imagem: Reprodução / sonoraweb)
A anatomia dos nossos ouvidos é complexa e cheia de pequenas partes, essenciais não só para a audição, mas também para o equilíbrio do corpo (Imagem: Reprodução / sonoraweb)

Os segredos da transmissão não-quantal

A transmissão não-quantal, apesar de nomeada, era um mistério aos cientistas. Ela tem a ver, agora sabemos, com a estrutura do ouvido. Temos capilares no ouvido interno, aglomerados de sensores parecidos com cabelos que detectam o movimento da cabeça humana através do líquido que os envolve. As informações locais são transmitidas diretamente ao cérebro, permitindo alinhar o corpo e a visão de acordo, garantindo o equilíbrio.

Os neurônios ligados aos capilares têm uma estrutura parecida com a de um copo de vinho, chamada Cálice de Held, ou cálice vestibular. Ela envolve os capilares e deixa apenas um pequeno espaço, chamado de fenda sináptica, já que permite o fluxo de sinapses. Íons fluem pelos canais dessa fenda, criando um potencial elétrico que acelera o fluxo de informações a velocidades incríveis. O formato de copo é único em todo o sistema nervoso, cujo funcionamento também era misterioso.

A célula capilar, parte azulada da ilustração, é envolvida pelo cálice vestibular, em verde: é no espaço entre essas partes do corpo que o potencial elétrico permite as sinapses mais rápidas possíveis (Imagem: Aravind Chenrayan Govindaraju/Rice University)
A célula capilar, parte azulada da ilustração, é envolvida pelo cálice vestibular, em verde: é no espaço entre essas partes do corpo que o potencial elétrico permite as sinapses mais rápidas possíveis (Imagem: Aravind Chenrayan Govindaraju/Rice University)

Com modelos computacionais, os cientistas simularam a transmissão não-quantal, buscando entender em detalhes o que ocorria na fenda sináptica. As mudanças no potencial elétrico, então, se mostraram responsáveis. Isso foi descoberto ao rastrear o fluxo dos íons de potássio nos canais dos capilares e da fenda.

O mecanismo foi descrito como sendo bem sutil, cheio de interações dinâmicas que permitem diminuir ou aumentar a velocidade da transmissão de informação. A chave para o sucesso dessa velocidade foi a capacidade de identificar o nível de potássio e o potencial elétrico a cada exato local dentro da fenda. Isso só é possível por conta do formato de cálice, um mecanismo de transmissão elétrica entre células que os pesquisadores suspeitam estar presente em outras sinapses.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: