Mercado fechará em 3 h 7 min

Chuvas afetam vendas de cimento em fevereiro

Ivo Ribeiro

Segundo o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC), no acumulado do ano, registra-se retração de 0,5% no setor A indústria de cimento do país fechou fevereiro com vendas ao mercado local de 4,1 milhões de toneladas, mesmo volume de um ano atrás, informou nesta sexta-feira (6) o Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC).

Porém, no acumulado do ano, registra-se retração de 0,5%, em razão das fracas vendas que ocorreram em janeiro. De acordo com o SNIC, o desempenho é fruto das volumosas chuvas no período, principalmente nas regiões Norte e Sudeste, que afetaram o ritmo de obras da construção civil.

Paulo Camillo Penna, presidente do SNIC, disse, em nota da entidade, que os resultados do mês passado mostram uma desaceleração. “Tivemos menos dias úteis em fevereiro em virtude do Carnaval, e a esperada melhora de venda de cimento acabou não vindo, pelo grande volume de chuva registrado no mês”, afirmou.

Vendas por dia útil

Segundo o dirigente, no entanto, considerando as vendas por dia útil, o acumulado no primeiro bimestre registra um crescimento de 2,9%. Já as vendas do produto no mercado interno em fevereiro, também considerando as vendas por dia útil, tiveram aumento de 7,4%, se comparado com o mesmo mês de 2019.

O SNIC informa que 2019 terminou com otimismo, com menor grau de incerteza associada aos principais riscos que afetaram a economia mundial ao longo do ano, mas que 2020 começou turbulento com a crise EUA-Irã, e depois, a epidemia de coronavírus (covid-19), cujo alcance e duração ainda são incertos. “No Brasil, os dados econômicos nos últimos meses do ano passado mostram uma lenta aceleração.”

“A velocidade das aprovações das reformas, a recuperação do emprego e os impactos do coronavírus deverão ditar o ritmo da economia brasileira nos próximos meses e em 2020”, afirmou Penna.