Mercado fechado

Chrysler e Lancia podem ser extintas após fusão da Fiat-Chrysler e PSA

br.info@motor1.com (Nicolas Tavares)
·2 minuto de leitura
2021 Chrysler 300
2021 Chrysler 300

Outras marcas do grupo também correm risco

Abarth, Alfa Romeo, Fiat, Lancia, Maserati, Chrysler, Dodge, Jeep, Ram, Citroën, DS, Opel, Peugeot, e Vauxhall. A Stellantis, empresa que surgirá da fusão entre Fiat-Chrysler e Grupo PSA, terá 14 marcas em seu portfólio, tornando-se a quarta maior fabricantes de carros do mundo. Agora que a fusão foi aprovada pelos acionistas, a empresa terá que resolver alguns pontos importantes - e isso pode levar ao fim de algumas marcas.

Especialistas da indústria automotiva estão analisando como será a vida da Stellantis após a fusão e como isso irá afetar as 14 marcas do grupo. Reportagens da Associated Press e Automotive News afirmam que a Chrysler pode ser extinta por ter uma linha formada por apenas dois carros: o sedã 300 e a minivan Pacifica, sendo que o 300 atual foi lançado em 2011.

O que complica ainda mais a situação da Chrysler é que não há qualquer plano de lançar novos modelos, mesmo antes da fusão - quando a FCA apresentou sua estratégia até 2022, a Chrysler foi esquecida, sem nenhuma novidade. No momento, não está claro se existe a chance de pegar alguns produtos da PSA e criar uma versão da Chrysler, algo que poderia até dar certo ao usar os carros da DS, marca de luxo do Grupo PSA.

Falando em trocar logos, a Lancia é uma que tentou fazer isso ao usar o sedã 300 como base para o Thema ou o 200 conversível para criar o Flavia Cabrio. Tanto é que, neste momento, só existe o hatch Ypsilon, vendido somente na Itália. Por isso, não é nenhuma surpresa que os analistas da indústria estejam dizendo que a Lancia também deve desaparecer após a fusão, embora nada esteja confirmado.

Mais sobre a fusão de Fiat-Chrysler e PSA:

Chrysler a Lancia são os candidatos mais óbvios, mas a Automotive News diz que não são os únicos. Outra que corre o risco de sumir é a Dodge, pois o governo de Joe Biden, novo presidente dos Estados Unidos, pretende endurecer as regras para reduzir o consumo de combustíveis no país, o que irá afetar a linha da Dodge, formada atualmente apenas por modelos com motores grandes e beberrões. Vale lembrar que, no Brasil, a Dodge encerrou a venda do Journey, o único carro que era oferecido por aqui, após o fim de sua produção.

Há mais alguns nomes com problemas. A DS, divisão de luxo da PSA, até dá lucro, mas os executivos dizem que o volume de vendas ainda é baixo, o que pode levar a Stellantis a gastar com outra coisa. Alfa Romeo e Maserati estão mais garantidas, passando por uma renovação e com novos produtos anunciados, o que vai requerer mais dinheiro.


Source: Associated Press, Automotive News