Mercado fechará em 3 h 6 min

Chrome bane formato de imagem que prometia economizar espaço no celular

O Google Chrome decidiu encerrar o suporte ao formato JPEG XL, apontado como o sucessor do JPEG original com melhor qualidade de imagem e menor espaço de armazenamento ocupado. Embora conte com o apoio da Adobe e tenha sido adotado por parte da indústria fotográfica, os desenvolvedores do Google decidiram não usar mais o formato.

Segundo a empresa, a decisão foi motivada por fatores como baixa adoção, "benefícios insuficientes" e esforço da indústria para otimizar os formatos já existentes. A decisão ocorreu na atualização mais recente do navegador. Antes, era possível reproduzir arquivos .JXL com ajuda de uma gambiarra técnica. Agora, não há mais nada o que fazer.

O formato tinha como principal trunfo a redução no espaço ocupado em HDs de computadores e no armazenamento interno dos celulares. Uma das vantagens era o foco na preservação de detalhes e texturas, bem como o suporte à tecnologia HDR — aquela usada em TVs e monitores para otimizar o contraste de cores.

O JPEG XL ficou conhecido pelo alto poder de compressão sem sacrificar a qualidade da fotografia (Imagem: Reprodução/blanche-toile.com)
O JPEG XL ficou conhecido pelo alto poder de compressão sem sacrificar a qualidade da fotografia (Imagem: Reprodução/blanche-toile.com)

No lugar do JPEG XL, o navegador permanecerá com o AVIF (Android) e com o HEIC (iOS). A estratégia parece um tanto quanto confusa, já que se perde a chance de unificar o uso de imagens fotográficas em diferentes dispositivos. Assim como o JPEG XL, o AVIF é isento de royalties, suporta HDR e recebe uma aceleração de processadores modernos com vários núcleos — embora seja mais lento que o rival para ser criado.

JPEG XL deve ser abandonado

Foi justamente a velocidade que fez com que Adobe e Facebook elogiassem o formato e o ressaltassem como o futuro da web. A decisão do Google não é soberana a ponto de vetar completamente o uso do JPEG XL, já que outras empresas podem continuar a empregá-lo normalmente.

Mas perder o suporte do navegador mais popular do planeta é um duro golpe, que dificulta a adoção universal. Daqui para frente, o formato deve ser evitado por quem quiser que uma imagem seja exibida corretamente no Chrome. O AVIF, por outro lado, conta com o apoio da Mozilla e roda em navegadores da Apple.

Definir padrões da indústria sempre causa certos atritos entre fabricantes. Quando uma nova tecnologia chega, há vários fatores que podem colaborar para a adoção ou não: qualidade, facilidade de uso, requisitos técnicos e lobby das empresas. É só lembrar do Blu-ray e a concorrência ferrenha com o HD-DVD, formato que acabou "perdendo a batalha".

A migração para o JPEG XL pode ser interrompida a partir de agora, mas isso é uma briga para os figurões da indústria resolverem. Por enquanto, os reles mortais continuam se contentando com o JPEG, que persistiu firme ao longo das últimas duas décadas.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: