Mercado fechado
  • BOVESPA

    119.371,48
    -690,52 (-0,58%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.092,31
    +224,69 (+0,46%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,77
    +0,34 (+0,55%)
     
  • OURO

    1.787,40
    +5,40 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    50.175,07
    -4.439,91 (-8,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.130,54
    -112,51 (-9,05%)
     
  • S&P500

    4.134,98
    -38,44 (-0,92%)
     
  • DOW JONES

    33.815,90
    -321,41 (-0,94%)
     
  • FTSE

    6.938,24
    +42,95 (+0,62%)
     
  • HANG SENG

    28.991,56
    +236,22 (+0,82%)
     
  • NIKKEI

    28.998,57
    -189,60 (-0,65%)
     
  • NASDAQ

    13.770,25
    +20,00 (+0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5445
    +0,0029 (+0,04%)
     

Chrome é atualizado no iOS após 5 meses, mas continua defasado

Igor Almenara
·2 minuto de leitura

Quase cinco meses depois, o Chrome é atualizado no iOS. Ignorando o cronograma normal de atualizações a cada seis semanas, o navegador do Google recebe sua primeira compilação do ano, numa janela de inércia que pode ter sido causada pela implementação da nova política de privacidade da Apple.

Desde novembro, o Google deu início a um hiato de atualizações de praticamente todos os aplicativos do seu ecossistema disponíveis para o sistema rival do Androidd — pelo menos, os mais cruciais entre eles. Sem dar qualquer justificativa, o cronograma de atualizações dos apps foi suspenso no iOS, até que começou a dar sinais de retorno em fevereiro, no primeiro download de 2021 para o Gmail.

(Imagem: Igor Almenara/Canaltech)
(Imagem: Igor Almenara/Canaltech)

Suspeita-se que o intervalo possa ter sido causado pela introdução das políticas de privacidade da App Store, o App Tracking Transparency (ATT). A medida implica na exposição mais clara sobre a coleta de dados feita por cada um dos aplicativos — fonte principal para direcionamento de propagandas, um tópico delicado para Big Techs como o Google e Facebook. Para evitar holofotes, a Gigante das Pesquisas teria optado por deixar o sistema da Apple de lado até minimizar a quantidade de informações exigidas.

O Chrome reforça que houve um intervalo proposital ao continuar duas versões atrás da distribuição para Android, que já se encontra no pacote 89. O download disponibilizado na App Store não dá novos recursos ao navegador e é restrita à correção de bugs e outros erros, numa compilação menor identificada pelo número "87.0.4280.163".

Na semana que vem, na liberação do Chrome 90 para todas as plataformas, o iOS deve receber as novidades negligenciadas desde novembro e voltar com o cronograma padrão.

Poucas alterações na coleta de dados

Mudanças aconteceram na seção de dados coletados pelo Chrome, mais especificamente, duas informações não são mais obtidas pelo app. “Crash Data”, um relatório de erros e “Customer Support”, a solicitação de ajuda de usuários, foram realocados para o cartão “Dados não vinculados a você”.

(Imagem: Igor Almenara/Canaltech)
(Imagem: Igor Almenara/Canaltech)

Não é uma mudança grandiosa, visto que a quantidade de informações demandadas pelo navegador ainda é bem grande — embora tenham sido parcialmente justificadas pela ampla atuação do Chrome em segmentos além da navegação, como transações online. Por isso, identificadores, informações de contato, localização e outros parâmetros são necessários para o funcionamento do app, mas seriam coletados somente se as ferramentas envolvidas fossem acionadas.

A estratégia assumida pelo Google não está clara no iOS, tampouco suas motivações. O ATT pode ter sido apenas parte do problema, mas a gigante nega que tenha sido o motivo real do hiato. Resta aguardar pela semana que vem para conferir se o Chrome 90 chegará ao iPhone e se os demais apps do ecossistema voltarão para o cronograma normal de atualizações.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: