Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.454,50
    +123,60 (+0,58%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Choque do petróleo devasta nações pobres com escassez, protestos

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.

(Bloomberg) -- As nações em desenvolvimento são as que mais sofrem com o choque do petróleo este ano.

Muitas dependem de combustível importado e são esmagadas por uma combinação de preços internacionais altos, moedas fracas e concorrência de economias ricas que se recuperam da pandemia.

Contas mais altas de combustível exacerbam a inflação em países que já lutam com os preços crescentes dos alimentos. A combinação leva a distúrbios e protestos, o que governos democráticos sabem por experiência que é uma das maneiras mais seguras de perder popularidade e poder.

Sri Lanka, Laos, Nigéria e Argentina estão entre as economias emergentes da Ásia, África e América Latina que viram longas filas em alguns postos de gasolina nas últimas semanas devido à escassez de combustível.

Muitos governos enfrentam o dilema de amortecer o golpe dos custos mais altos, aumentando os subsídios ou reduzindo os impostos – ambos prejudiciais às finanças públicas – ou permitindo o aumento de preços dos combustíveis e arriscando a ira de consumidores e empresas.

“Podemos ver muita agitação, pois as economias emergentes são mais sensíveis aos preços dos combustíveis”, disse Virendra Chauhan, chefe para a região Ásia-Pacífico da consultoria Energy Aspects, em Singapura. “Embora historicamente a maioria deles tenha contado com subsídios aos combustíveis para apaziguar a população, por causa de uma grande e crescente carga de importação, pode ser difícil manter esses subsídios.”

A crise é resultado principalmente da recuperação da demanda após a pandemia e das sanções à Rússia pela invasão da Ucrânia, que perturbou os fluxos globais de energia, especialmente para a Europa. O Brent, petróleo de referência global, foi negociado perto de US$ 120 o barril na segunda-feira - cerca de 70% acima do preço médio em 2021 - depois que a Arábia Saudita sinalizou confiança na demanda e o Goldman Sachs previu mercados mais apertados à medida que a China emerge dos bloqueios de Covid.

Entre as economias emergentes que sofrem o impacto dos preços mais altos estão Sri Lanka e Paquistão.

Atolado em sua maior crise econômica, o Sri Lanka busca ajuda do Fundo Monetário Internacional, China, Japão e Índia para pagar por suas importação de combustível. Companhias aéreas que voam para o país precisam transportar combustível de aviação suficiente para a viagem de volta ou abastecer em outro lugar.

A inflação em alta levou o Paquistão a uma crise econômica semelhante, buscando um resgate do FMI. Mas o fundo insistiu que o governo de Islamabad aumentasse os preços dos combustíveis para garantir um acordo. Enquanto isso, os bancos estrangeiros pararam de oferecer crédito comercial para importações de petróleo.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos