Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.797,30
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.022,95
    +90,40 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Chineses se indignam com imagens de torcedores sem máscara na Copa do Mundo

Na China, a última grande economia ainda empregando esforços consideráveis no combate à pandemia do novo coronavírus, as imagens da atual Copa do Mundo — que vem sendo realizada no Catar — têm causado incômodo à população. Com política de covid zero, os chineses seguem tendo de obedecer a medidas rígidas de isolamento social, o que contrasta bastante com as aglomerações do campeonato mundial de futebol.

A insatisfação dos habitantes do país asiático vem sendo compartilhada no Weibo, o superapp da China que equivale a muitas redes sociais ocidentais, como o Twitter. Não só as enormes aglomerações nos estádios e fora deles irritam os chineses, mas também a falta da obrigatoriedade das máscaras.

Na China, testagem em massa e políticas de isolamento ainda são lei (Imagem: Pressmaster/envato)
Na China, testagem em massa e políticas de isolamento ainda são lei (Imagem: Pressmaster/envato)

Reclamações e controle da pandemia

Um morador de Guangdong se expressou, utilizando o Weibo: "Alguns assistem aos jogos da Copa do Mundo em pessoa e sem máscaras, enquanto outros ficam confinados em suas casas, no mesmo local há dois meses, sem poder sair. Quem me roubou a vida? Não vou dizer". A reclamação é uma provável alusão à política de reclusão por parte do governo chinês contra a covid-19.

As infecções pelo SARS-CoV-2 foram detectadas pela primeira vez no país asiático, ainda em 2019. Ele segue sendo a última grande economia mundial a aplicar políticas generalizadas de controle pandêmico, colocando bairros e cidades inteiras em lockdown e demandando testes a milhões de pessoas.

Mesmo com tais esforços, a média diária de casos na última quarta-feira (23) ficou em 29.157, e, nesta quinta-feira (24), o país bateu o recorde de casos registrados em um único dia nesta quinta-feira, com 31,4 mil infecções. Na terça, mais de 25% dos chineses ficou sob confinamento em algum grau, segundo informações do Instituto Nomura.

Outro internauta, de sobrenome Wang, comentou na mesma rede social: "Minha maior lição ao assistir à copa do mundo: ninguém está usando máscara, ninguém tem medo da pandemia". No aplicativo de mensagens chinês WeChat, uma carta aberta foi publicada também na terça questionando se o país está "no mesmo planeta" que o Catar, mas foi removida pelo governo. Na China, as partidas da Copa são exibidas pela rede estatal CCTV.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: