Mercado fechará em 6 h 53 min
  • BOVESPA

    114.177,55
    -92,52 (-0,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    55.164,01
    +292,65 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,31
    +1,30 (+1,60%)
     
  • OURO

    1.929,10
    -0,90 (-0,05%)
     
  • BTC-USD

    22.968,42
    -30,68 (-0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    520,45
    -6,73 (-1,28%)
     
  • S&P500

    4.060,43
    +44,21 (+1,10%)
     
  • DOW JONES

    33.949,41
    +205,57 (+0,61%)
     
  • FTSE

    7.771,01
    +9,90 (+0,13%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.050,75
    -56,00 (-0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5240
    +0,0043 (+0,08%)
     

Chinesa SPIC entra em geração solar no Brasil após acordo com Canadian Solar

SÃO PAULO (Reuters) - A SPIC Brasil, subsidiária da State Power Investment Corporation of China, anunciou nesta quinta-feira a aquisição de dois projetos de geração de energia solar da Canadian Solar que serão construídos na região de Nordeste.

Pela operação, cujo valor não foi revelado, a SPIC passa a ter uma participação majoritária de 70% nos empreendimentos que ficarão nos Estados do Piauí e Ceará, e entra no segmento de geração de energia solar.

Segundo comunicado conjunto, as empresas vão investir mais de 2 bilhões de reais nas usinas, batizadas de Marangatu e Panati-Sitiá, que somam 738 megawatts (MW) de potência.

As obras terão início no segundo semestre deste ano, e a previsão é de entrada em operação até o final de 2023.

Aproximadamente 75% da energia a ser gerada pelos parques solares já estão contratada em acordos de longo prazo junto a consumidores, disseram as empresas. O restante da energia produzida será vendida no mercado livre.

A aquisição marca o primeiro projeto solar da SPIC no Brasil, segundo a CEO da companhia, Adriana Waltrick.

Com um portfólio de mais de 3 GW, a SPIC Brasil opera atualmente a usina hidrelétrica São Simão (MG/GO), dois parques eólicos na Paraíba e tem participação no complexo de gás natural GNA (RJ).

"A empresa pretende estar entre os três principais players privados de geração de energia até 2025 e o crescimento em fontes renováveis é uma das principais avenidas de crescimento", disse Marcela Pacola, diretora de Desenvolvimento de Negócios da SPIC Brasil, em nota.

Já para a Canadian Solar, a venda representa uma forma de monetizar seus projetos solares de larga escala, afirmou a presidente e CEO, Shawn Qu, acrescentando que a empresa "continuará a executar e monetizar seu pipeline restante de cerca de 1,8 GWp".

(Por Letícia Fucuchima)