Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.132,53
    +346,23 (+0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    42.200,59
    -535,89 (-1,25%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,86
    +0,95 (+2,12%)
     
  • OURO

    1.806,10
    +1,50 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    18.733,98
    -306,86 (-1,61%)
     
  • CMC Crypto 200

    368,01
    -2,50 (-0,68%)
     
  • S&P500

    3.629,65
    -5,76 (-0,16%)
     
  • DOW JONES

    29.872,47
    -173,77 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.391,09
    -41,08 (-0,64%)
     
  • HANG SENG

    26.669,75
    +81,55 (+0,31%)
     
  • NIKKEI

    26.296,86
    +131,27 (+0,50%)
     
  • NASDAQ

    12.168,75
    +92,75 (+0,77%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3383
    -0,0586 (-0,92%)
     

Chinesa SPIC compra Zuma e se expande em renováveis no México

Justin Villamil
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- A chinesa State Power Investment Corp. se expande no mercado de energia limpa da América Latina com a aquisição da maior empresa independente de energia renovável do México.

A gigante de energia SPIC comprou a Zuma Energía por meio da China Power International, sua unidade de Hong Kong, segundo comunicado de imprensa fornecido por um porta-voz da Zuma. O preço da transação não foi revelado. A SPIC tem mais de US$ 170 bilhões em ativos em 41 países, incluindo projetos eólicos, solares e hidrelétricos no Brasil e no Chile.

A aquisição marca o primeiro passo da SPIC no México e ocorre em um momento complicado para o setor de energia renovável do país. Sob o governo do presidente András Manuel López Obrador, o México intensificou a defesa das estatais de energia Petróleos Mexicanos e Comisión Federal de Electricidad na tentativa de reprimir a concorrência do setor privado. Ainda assim, a SPIC está otimista com as perspectivas no México.

A compra “significa nosso compromisso e apoio contínuos para a geração de energia limpa e renovável, bem como confiança na economia mexicana”, disse o presidente do conselho da empresa, Qian Zhimin, em comunicado. A Zuma “irá irradiar apoio operacional e de investimento aos países vizinhos”.

A empresa reforça a tendência crescente de empresas chinesas de energia que compram ativos latino-americanos, que incluem grupos de logística, serviços e telecomunicações. A State Grid anunciou neste mês que planeja comprar uma empresa chilena de rede elétrica por 2,57 bilhões de euros (US$ 3 bilhões).

A compra da Zuma é uma aposta de longo prazo para a SPIC. López Obrador e o Ministério de Energia introduziram medidas neste ano para desacelerar a geração privada de energia limpa. Embora a iniciativa tenha sido paralisada nos tribunais mexicanos após um processo aberto pelo Greenpeace, o apetite por novos projetos renováveis no México diminuiu.

As ambições da SPICA provavelmente vão além do México. Com uma nova grande controladora, a Zuma pode ser capaz de se expandir na região.

“Construímos uma plataforma sólida para buscar vários caminhos de crescimento regionalmente”, disse o CEO da Zuma, Adrian Katzew, no comunicado. “O apoio da SPIC nos permitirá desenvolver nossa missão de fazer uma contribuição significativa para um sistema global de energia limpa.”

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.