Mercado fechado

Chinesa Fosun diminuirá participação na Guide e na Rio Bravo

Juliano Passaro
Chinesa Fosun diminuirá participação na Guide e na Rio Bravo

A empresa de investimentos chinesa Fosun está colocando à venda parte de seus ativos financeiros no Brasil. De acordo com fontes próximas a companhia, a Fosun contratou o Credit Suisse para encontrar interessados na Guide Investimentos e na Rio Bravo.

As informações primárias são de que a Fosun pode vender parte de sua posição nas empresas ou até 100% de sua participação na Guide e na gestora Rio Bravo.

Ao final do ano passado, o diretor da Fosun para a América Latina, Diogo Castro e Silva, deixou a empresa. Dessa forma, as conversas sobre os possíveis desinvestimentos no Brasil estão sendo realizadas diretamente de Xangai. Enquanto isso, a Guide Investimentos já está sendo oferecida a concorrentes e também a fundos de private equity, segundo informações do jornal "Valor Econômico". A primeira rodada de propostas estava prevista para o início deste mês, mas ainda não aconteceu.

Motivação dos desinvestimentos

A fonte próxima a situação diz que os chineses não estariam felizes com os resultados entregados pelas duas empresas (Guide e Rio Bravo). “Tem uma questão clara que é a diferença de ritmo de crescimento e migração de produtos e serviços no mercado financeiro no varejo no Brasil e na China”, disse um executivo próximo ao assunto, sinalizando a alta expectativa gerada pelos chineses quando investiram nas plataformas.

Em contrapartida, uma outra fonte com conhecimento do assunto diz que a Fosun permanece interessada em ampliar suas posições em alguns setores do mercado brasileiro, como o de saúde.

Veja também: Controladora da Amil apresenta alta de 16,5% do lucro líquido no 4T19

Em 2018, os chineses compraram 70% da Guide, por R$ 170 milhões. Entretanto, a Fosun ainda colocou R$ 120 milhões adicionais relativos a desempenho futuro, o que chega ao valor de R$ 290 milhões. Dessa forma, na época, a empresa ficou avaliada em aproximadamente R$ 414 milhões. Os outros 20% ficaram com o Banco Indusval e os 10% restantes com os sócios executivos da Guide.