Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.764,26
    +3.046,32 (+2,78%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.853,37
    +392,82 (+0,81%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,88
    -2,46 (-2,61%)
     
  • OURO

    1.818,90
    +11,70 (+0,65%)
     
  • BTC-USD

    24.549,32
    +520,02 (+2,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    574,64
    +3,36 (+0,59%)
     
  • S&P500

    4.280,15
    +72,88 (+1,73%)
     
  • DOW JONES

    33.761,05
    +424,38 (+1,27%)
     
  • FTSE

    7.500,89
    +34,98 (+0,47%)
     
  • HANG SENG

    20.175,62
    +93,19 (+0,46%)
     
  • NIKKEI

    28.546,98
    +727,65 (+2,62%)
     
  • NASDAQ

    13.580,00
    +268,75 (+2,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2024
    -0,1213 (-2,28%)
     

Chinesa avalia compra da fábrica da Daimler no Brasil: Fontes

·2 min de leitura

(Bloomberg) -- A montadora chinesa Great Wall Motor considera adquirir uma das fábricas da Daimler no Brasil como parte da expansão internacional, de acordo com pessoas familiarizado com o assunto.

As duas empresas estão em negociações sobre o potencial negócio, que pode envolver várias centenas de milhões de dólares, segundo as fontes, que pediram anonimato porque o assunto é particular.

As deliberações estão em andamento e as partes podem optar por não fazer o acordo, acrescentaram as pessoas. Um representante da Great Wall não pôde fazer comentário imediato. Uma porta-voz da Daimler informou que a companhia continua explorando diferentes opções para a fábrica, mas não quis elaborar.

Em dezembro, a montadora alemã anunciou que abandonaria a produção de automóveis no Brasil, citando as difíceis condições do mercado. A fábrica em Iracemápolis, interior paulista, foi inaugurada em 2016 para produzir o sedã Mercedes-Benz Classe C e o crossover GLA. A empresa destinou mais de R$ 600 milhões em investimentos à unidade, que tinha capacidade de produção anual de 20.000 veículos. As operações da Daimler no Brasil atualmente incluem ônibus, caminhões e teste de veículos.

A Great Wall já adquiriu diversas fábricas nos últimos dois anos. No ano passado, anunciou a compra de instalações da General Motors na Índia e Tailândia.

O negócio em potencial está sendo discutido em um momento em que a Great Wall enfrenta maior competição no mercado chinês de utilitários esportivos, que é um segmento importante para a montadora. Marcas estrangeiras como Volkswagen e Toyota Motor conquistaram uma fatia maior das vendas de SUVs na China em 2020 do que as empresas nacionais e aparentemente vão ampliar essa liderança, segundo avaliação de Steve Man, analista da Bloomberg Intelligence, publicada em maio.

No ano passado, a Great Wall faturou 285,8 milhões de yuans (US$ 44 milhões) no Chile, que é seu maior mercado na América Latina e sexto maior em nível global, de acordo com o relatório anual da companhia. A operação chilena foi responsável por 2,8% da receita da montadora chinesa em 2020.

Maior acionista da Daimler, o bilionário chinês Li Shufu é também o fundador e presidente da Zhejiang Geely Holding Group. A Great Wall compete com a Geely Automobile Holdings e tem uma parceria na China com a BMW, rival alemã da Daimler.

More stories like this are available on bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos