Mercado abrirá em 6 h 11 min
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,83
    +0,85 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.821,70
    +12,10 (+0,67%)
     
  • BTC-USD

    17.318,34
    +294,85 (+1,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    410,36
    +8,94 (+2,23%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    19.316,46
    +641,11 (+3,43%)
     
  • NIKKEI

    27.790,90
    +13,00 (+0,05%)
     
  • NASDAQ

    11.992,50
    -17,75 (-0,15%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5172
    +0,0232 (+0,42%)
     

Três meses após embargo, China volta a comprar carne do Brasil

Brazil's largest processed meat exporters
China volta a comprar carne vermelha brasileira sem restrições. (Foto: Getty Creative)
  • China retirou embargo a carne vermelha brasileira, suspensa desde setembro;

  • País asiático suspendeu compras por conta de casos suspeitos de vaca louca;

  • Embargo chinês auxiliou que queda na venda de carne bovina do Brasil caísse 43%;

A China retirou o embargo à carne brasileira nesta quarta-feira (15), de acordo com informações do Ministério da Agricultura, em comunicado reproduzido em seu site. A medida vigorava desde o início de setembro. Por enquanto, o Ministério da Agricultura não detalhou quais cortes de carnes poderão voltar a ser vendidos. De acordo com a Reuters, a China liberou a importação de cortes sem osso de animais de até 30 meses de idade.

Leia também:

O embargo começou em setembro, quando o Brasil suspendeu as vendas para a China após dois casos de vaca louca em Minas Gerais e Mato Grosso. Mesmo que os casos não apresentassem risco de contaminação, a suspensão foi feita para cumprir um protocolo sanitário entre os dois países, que prevê essa interrupção de comércio em casos de identificação da doença.

País esperava retomada de exportações do maior consumidor de carne brasileira

Em novembro, a China já havia anunciado que aceitaria os pedidos de importação da carne bovina brasileira que tenham obtido os necessários certificados sanitários antes de 4 de setembro. A decisão já permitia que parte da carga retida em portos chineses devido à suspeita, já descartada, de contaminação do produto comece a ser liberadas pela alfândega.

A retomada do comércio em definitivo, no entanto, de acordo com a Reuters, dependia da China, que exigiu diversas comprovações do Brasil antes de restabelecer a importação de carne. Como o país é o maior importador de carne brasileira, o país viu suas exportações caírem expressivamente durante o embargo. Em outubro, as exportações de carne bovina caíram 43%.