Mercado fechará em 1 h 29 min
  • BOVESPA

    108.968,82
    +1.139,09 (+1,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.776,40
    -559,11 (-1,05%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,95
    +0,81 (+1,05%)
     
  • OURO

    1.888,70
    +3,90 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    22.996,44
    +64,04 (+0,28%)
     
  • CMC Crypto 200

    530,10
    -6,79 (-1,26%)
     
  • S&P500

    4.130,00
    -34,00 (-0,82%)
     
  • DOW JONES

    34.034,65
    -122,04 (-0,36%)
     
  • FTSE

    7.885,17
    +20,46 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    21.283,52
    -15,18 (-0,07%)
     
  • NIKKEI

    27.606,46
    -79,01 (-0,29%)
     
  • NASDAQ

    12.586,00
    -190,75 (-1,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5992
    +0,0221 (+0,40%)
     

China visa estabilizar preços de habitação e restringir especulação

Edifícios residenciais em construção, em Xangai, China

PEQUIM (Reuters) - O regulador imobiliário da China trabalhará para manter a oferta e a demanda de moradias equilibradas, estabilizar os preços e restringir estritamente a especulação, informou uma publicação do ministério nesta terça-feira, após uma série de medidas do governo para apoiar o setor atingido pela crise.

A China fará esforços mais direcionados para apoiar a demanda por moradias próprias e melhoradas para aumentar a confiança do mercado, de acordo com o China Construction News, liderado pelo Ministério da Habitação e Desenvolvimento Urbano-Rural.

O regulador realizou uma videoconferência nesta terça-feira, prometendo ajudar a resolver os riscos de financiamento para empresas imobiliárias e apoiar igualmente os balanços de empresas estatais e privadas, mostrou a reportagem.

O setor imobiliário da China, que responde por cerca de 25% da economia, foi duramente atingido no ano passado, pois construtoras com dificuldades de caixa não conseguiram finalizar moradias, levando a um boicote às hipotecas por parte de alguns compradores.

Autoridades lançaram uma série de medidas de apoio voltadas para compradores de imóveis e construtoras imobiliárias nas últimas semanas, para aliviar um aperto de liquidez de longa data que atingiu as construtoras e atrasou a conclusão de muitos projetos habitacionais.

Dados oficiais divulgados nesta terça-feira mostraram que o investimento imobiliário caiu 10% em 2022, a primeira queda desde que os registros começaram em 1999, e as vendas de imóveis tiveram a maior queda desde 1992, sugerindo que as medidas de apoio do governo estavam tendo um efeito mínimo até agora.

(Reportagem de Liangping Gao e Ryan Woo)