Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.663,70
    +1.144,39 (+1,96%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

China vai liderar recuperação das economias do Leste Asiático e Pacífico, diz Banco Mundial

·1 minuto de leitura
Distrito financeiro de Pudong, em Xangai

(Reuters) - A China deverá liderar a recuperação das economias do Leste Asiático e do Pacífico neste ano, mas muitas nações ainda registrarão um crescimento abaixo da média enquanto lutam para superar a pandemia do coronavírus, de acordo com as novas projeções do Banco Mundial divulgadas nesta sexta-feira.

O mais recente relatório econômico para Leste Asiático e Pacífico do Banco Mundial prevê que a economia chinesa crescerá 8,1% em 2021, em comparação com 2,3% no ano anterior, impulsionando um crescimento de 7,4% em toda a região, ante 1,2% em 2020.

Excluindo a China, de longe a maior economia da região, o crescimento será de apenas 4,4% na região do Leste Asiático e no Pacífico, uma melhora em relação à contração de 3,7% no ano anterior, mas ainda abaixo da média de longo prazo.

O Banco Mundial observou que o crescimento econômico para Estados-nação individuais “dependerá da contenção do novo coronavírus; da capacidade de tirar proveito de um restabelecimento do comércio internacional; e da capacidade dos governos de fornecer apoio fiscal e monetário”.

A contenção lenta da Covid-19, no entanto, pode levar a uma atividade econômica pior que a prevista, com o aumento do risco do surgimento de novas variantes que podem ser mais infecciosas, letais e resistentes às vacinas existentes.

(Reportagem de Tom Allard)