Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.398,29 (+1,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,27
    +2,15 (+2,62%)
     
  • OURO

    1.817,30
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    43.092,84
    -221,29 (-0,51%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,76
    +12,03 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.383,32
    -46,45 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.124,28
    -364,82 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    15.616,75
    +126,50 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3174
    -0,0154 (-0,24%)
     

China vai investir R$ 417 trilhões em neutralidade de carbono

·2 min de leitura
China está preparando um investimento de R$ 417 trilhões (Getty)
China está preparando um investimento de R$ 417 trilhões (Getty)
  • China montou plano de investimento usando autoridades governamentais em parceria com atores do setor privado

  • Previsão é de gerar eletricidade de forma inteiramente sustentável

  • Investimentos serão realizados ao longo de 30 anos

A China está preparando um investimento de R$ 417 trilhões nos próximos 30 anos para reduzir suas emissões de carbono. O anúncio foi feito em de dezembro de 2021, por um consórcio do governo com entidades acadêmicas e do setor privado.

O consórcio foi liderado por Ma Jun, presidente do Instituto de Finanças e Sustentabilidade de Pequim, uma unidade acadêmica sob o Departamento Municipal de Trabalho Financeiro de Pequim.

Anteriormente, Ma foi membro do comitê de política monetária do Banco Popular da China, economista-chefe do Bureau de Pesquisa do PBoC e chefe de economia e estratégia da China no Deutsche Bank da Alemanha. Os outros 40 coautores do relatório incluem economistas de instituições financeiras chinesas e ocidentais.

Leia também:

O que diz o relatório

O projeto de R$ 417 trilhões para investimentos verdes inclui uma gama de indústrias de alta tecnologia que substituirão gradualmente as indústrias atuais da China por seu alto nível de consumo de energia e emissões de carbono.

Uma das maiores mudanças irá acontecer no setor de transportes, com a troca dos combustíveis fósseis por células de combustível de hidrogênio.

É previsto que a nova tecnologia alimente o transporte rodoviário e marítimo de longa distância, assim como a aviação.

O fornecimento de eletricidade também se tornará zero carbono, com a maior parte da rede sendo atendida por fontes renováveis, usinas nucleares. Apenas uma pequena quantidade ainda utilizará geradores de combustíveis fósseis, porém equipados com uma tecnologia de captura e armazenamento de carbono (CCS).

Essa eletricidade será empregada em quase todo setor de construção, e em metade das indústrias, para reduzir extremamente as emissões.

Os edifícios, por sua vez, estarão equipados com tecnologias de economia de energia, como a energia fotovoltaica distribuída, e assim irão atingir emissões negativas de carbono.

Por fim, o restante da meta de zero emissões de carbono será alcançado por meio de tecnologia de captura e utilização de carbono e sumidouros de carbono.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos