Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.880,82
    +1.174,91 (+0,97%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.219,26
    +389,95 (+0,80%)
     
  • PETROLEO CRU

    65,51
    +1,69 (+2,65%)
     
  • OURO

    1.844,00
    +20,00 (+1,10%)
     
  • BTC-USD

    48.129,16
    -2.568,24 (-5,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.398,33
    +39,77 (+2,93%)
     
  • S&P500

    4.173,85
    +61,35 (+1,49%)
     
  • DOW JONES

    34.382,13
    +360,68 (+1,06%)
     
  • FTSE

    7.043,61
    +80,28 (+1,15%)
     
  • HANG SENG

    28.027,57
    +308,90 (+1,11%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.398,00
    +297,75 (+2,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4040
    -0,0085 (-0,13%)
     

China vê geração solar e eólica respondendo por 11% do uso de eletricidade em 2021

·1 minuto de leitura

PEQUIM (Reuters) - A China sinalizou que elevará a participação da geração de usinas solares e eólicas para cerca de 11% do consumo total de eletricidade em 2021, ante 9,7% em 2020, disse a Administração Nacional de Energia (NEA, na sigla em inglês) em um plano preliminar divulgado nesta segunda-feira.

O presidente chinês Xi Jinping anunciou que a China irá ampliar a parcela de combustíveis não-fósseis no consumo primário de energia para cerca de 25% em 2030, como parte de sua promessa de que as emissões de carbono do país terão seu pico antes de 2030.

A NEA disse em seu plano preliminar que a geração solar e eólica deve aumentar anualmente ao longo dos próximos cinco anos, para alcançar 16,5% do uso total de eletricidade em 2025.

O órgão estatal também pediu a desenvolvedores de projetos eólicos e solares que acelerem sua construção, pedindo a governos locais e empresas de energia que garantam que a produção dessas usinas poderá ser conectada à rede.

Governos locais também deverão acelerar aprovações para novos projetos solares e eólicos, de modo a assegurar o desenvolvimento de longo prazo das renováveis no país, segundo o plano preliminar.

Em fevereiro, o governo central forçou empresas regionais de rede a ampliarem as compras mínimas de energia produzida por usinas renováveis.

O plano preliminar ficará em consulta pública até 25 de abril.

(Por Muyu Xu e Shivani Singh)