Mercado abrirá em 9 h 40 min
  • BOVESPA

    106.363,10
    -56,43 (-0,05%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.714,60
    -491,99 (-0,94%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,70
    -1,96 (-2,37%)
     
  • OURO

    1.801,20
    +2,40 (+0,13%)
     
  • BTC-USD

    58.850,70
    -1.775,62 (-2,93%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.409,96
    -64,37 (-4,37%)
     
  • S&P500

    4.551,68
    -23,11 (-0,51%)
     
  • DOW JONES

    35.490,69
    -266,19 (-0,74%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.661,35
    +32,61 (+0,13%)
     
  • NIKKEI

    28.827,72
    -270,52 (-0,93%)
     
  • NASDAQ

    15.618,00
    +30,75 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4203
    -0,0044 (-0,07%)
     

China toma medidas para proteger Evergrande, mas não salvá-la

·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Com a China Evergrande Group cada vez mais perto de uma reestruturação, o governo de Pequim intensifica esforços para limitar o impacto, sinalizando que está disposto a apoiar incorporadoras com as contas em ordem, proprietários de imóveis e o mercado imobiliário às custas de credores de títulos globais. Na semana passada, reguladores financeiros pediram que grandes bancos do país flexibilizem o crédito para compradores de imóveis e apoiem o setor imobiliário. Autoridades chinesas também compraram parte da participação da Evergrande em um banco em dificuldades para limitar o contágio. Enquanto isso, o banco central injetou 790 bilhões de yuans (US$ 123 bilhões) no sistema financeiro em 10 dias para aumentar a liquidez.

Most Read from Bloomberg

As medidas destacam que a China fará tudo o que puder para proteger e isolar a Evergrande, mas mostra pouco interesse em um resgate direto da incorporadora que há semanas agita os mercados globais. Não é um bom sinal para credores de títulos - tanto na China continental quanto no exterior - à espera de algum tipo de resgate do governo chinês. “A primeira obrigação é garantir que os proprietários que compraram esses imóveis os recebam e que sejam compensados”, disse Bruce Richards, CEO da Marathon Asset Management, que começou a comprar dívida da Evergrande na semana passada. “No final da hierarquia estão os detentores de títulos offshore.” Para a China, o risco de contágio supera em muito qualquer possível dano de um colapso isolado da Evergrande que, embora seja uma das maiores incorporadoras da China, responde por apenas 4% das vendas no país. Uma corrida às empresas imobiliárias na sequência de um colapso da Evergrande ameaça desestabilizar um setor que responde por 29% da economia da China, segundo nova pesquisa de Ken Rogoff, economista da Universidade Harvard.

Ações de incorporadoras como Sunac China e Guangzhou R&F Properties despencaram, enquanto os rendimentos de seus títulos dispararam. Cerca de 12 empresas imobiliárias divulgaram o não pagamento de títulos no primeiro semestre, totalizando 19 bilhões de yuans, segundo a Moody’s Investors Service.

As negociações com as ações da Evergrande e de sua unidade de serviços imobiliários foram suspensas na Bolsa de Valores de Hong Kong, à espera do anúncio de uma “grande transação”, segundo comunicado regulatório da incorporadora na segunda-feira. A Hopson Development planeja adquirir uma participação de 51% na unidade de serviços imobiliários da Evergrande, de acordo com a plataforma chinesa de notícias financeiras Cailian, que citou pessoas não identificadas.

A China também pode enfrentar uma reação dos 1,6 milhão de compradores de imóveis que depositaram entradas para apartamentos ainda não construídos pela Evergrande. Concluir esses projetos ajudaria a evitar o tipo de tumulto provocado no mês passado por investidores de varejo que exigiam o pagamento de cerca de 40 bilhões de yuans em produtos de investimento de alto rendimento da Evergrande.

“Um default desordenado da Evergrande é improvável devido ao amplo risco que isso representa para uma grande parte da população chinesa”, disse Alejandra Grindal, economista-chefe da Ned Davis Research. “O governo provavelmente está menos preocupado com a reestruturação da dívida offshore.”

Enquanto isso, credores se preparam para um grande corte nos preços dos títulos no caso de qualquer reestruturação. A S&P disse na semana passada que espera uma “chance muito alta de default” da Evergrande, devido à situação de liquidez e US$ 300 bilhões em passivos totais. A empresa provavelmente não efetuou dois pagamentos de cupons de títulos em dólar nas últimas duas semanas e enfrenta US$ 260 milhões de um título que vence na segunda-feira do qual é garantidora, vendido por uma empresa relacionada conhecida como Jumbo Fortune Enterprises.

Com o principal título offshore da Evergrande negociado a cerca de 27 centavos de dólar, investidores como a Marathon têm poucas perspectivas de serem ressarcidos. Por isso, apostam em ganhos com a reestruturação.

“Não sabemos qual é esse valor de recuperação, mas estamos chegando perto do ponto em que agora faz sentido” comprar, disse Richards em entrevista à Bloomberg Television.

Most Read from Bloomberg Businessweek

©2021 Bloomberg L.P.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos