Mercado fechará em 5 h 11 min
  • BOVESPA

    113.747,26
    +39,50 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.440,11
    -293,93 (-0,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    90,45
    +2,34 (+2,66%)
     
  • OURO

    1.778,10
    +1,40 (+0,08%)
     
  • BTC-USD

    23.450,35
    +51,71 (+0,22%)
     
  • CMC Crypto 200

    558,91
    +1,17 (+0,21%)
     
  • S&P500

    4.279,05
    +5,01 (+0,12%)
     
  • DOW JONES

    33.941,67
    -38,65 (-0,11%)
     
  • FTSE

    7.530,29
    +14,54 (+0,19%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.480,50
    -12,75 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2489
    -0,0103 (-0,20%)
     

China testa vela para "limpar" lixo espacial na órbita da Terra

A China lançou ao espaço uma grande “vela de arrasto” presa a um componente de um foguete Long March 2D, durante testes de um método para reduzir a quantidade de lixo espacial na órbita da Terra. O veículo foi lançado do Centro de Lançamentos de Satélites Xichang no dia 24 de junho, e levou três satélites da família Yaogan 35 à órbita do nosso planeta.

Ao que tudo indica, a vela estava presa ao adaptador de cargas úteis, instalado no estágio superior do veículo. Segundo a Academia de Tecnologia de Voos Espaciais de Shangai (SAST), responsável pela produção do foguete, a vela de 25 metros quadrados foi aberta um dia após o lançamento.

A vela mede 25 metros quadrados, e vai ajudar a desorbitar um objeto de 300 kg (Imagem: Reprodução/SAST)
A vela mede 25 metros quadrados, e vai ajudar a desorbitar um objeto de 300 kg (Imagem: Reprodução/SAST)

A ideia é que a vela ajude a desorbitar o adaptador, um dispositivo de 300 kg orbitando a Terra a uma altitude de aproximadamente 491 km. Ela funciona aumentando a área da superfície do objeto desejado (como estágios de foguetes usados ou satélites fora de operação), aumentando os efeitos do "arrasto" da fricção atmosférica e, assim, agilizando o processo de reentrada. O esperado é que a desórbita ocorra em até dois anos.

Ao diminuir o tempo que o objeto fica em órbita, cai também o risco de colisões capazes de gerar nuvens de detritos perigosos para naves tripuladas e outros objetos em órbita. Estimativas recentes da Agência Espacial Europeia (ESA) sugerem a presença de mais de 30 mil detritos na órbita da Terra, mas há modelos estatísticos que propõem mais de 1 milhão de pedaços de lixo espacial, com até 10 cm de extensão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos