Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    60.493,64
    +1.853,88 (+3,16%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

China terá passaporte digital para quem se vacinou ou está sem o coronavírus

IGOR GIELOW
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A China anunciou que vai introduzir um passaporte digital para facilitar o trânsito de pessoas já vacinadas contra a Covid-19 e que não são portadoras do novo coronavírus. Ao mesmo tempo, o país respondeu às críticas de que prioriza a diplomacia da vacina lançando uma campanha de imunização para chineses que moram no exterior, incluindo locais como a contestada ilha de Taiwan. Os anúncios foram feitos pelo chanceler chinês, Wang Yi, em entrevista durante o encontro do Congresso Nacional do Povo, uma das Duas Sessões que coroam o ano legislativo da ditadura chinesa -a outra é de um órgão consultivo. Segundo Wang, está sendo finalizado um passaporte digital que dará à China e a outros países a possibilidade de checar o resultado de testes de presença do vírus (RT-PCR) e também se o viajante já recebeu alguma das vacinas no mercado. Ele não deu detalhes sobre como isso funcionaria em relação a outros países, mas afirmou que "a privacidade pessoal estará totalmente protegida". A iniciativa vem sendo discutida em outros países e é polêmica. A Organização Mundial da Saúde se posicionou em fevereiro de forma contrária aos passaportes neste momento devido à questões técnicas, como a dúvida sobre a sua precisão em especial com as novas variantes do vírus à solta, e éticas, dada a desigualdade na distribuição mundial de vacinas. Ainda assim, esse tipo de controle parece ser uma tendência. País que mais vacinou sua população, proporcionalmente, Israel instituiu o "passaporte verde" para uso doméstico -um aplicativo aponta quem recebeu duas doses do imunizante ou teve a Covid-19, abrindo as portas para centros comerciais, hotéis, academias e afins. País onde a pandemia emergiu, no fim de 2019, a China foi bem-sucedida no controle e no impacto do coronavírus. Seu programa de vacinação, contudo, anda a passos lentos devido ao tamanho de sua população -a maior do mundo, com 1,4 bilhão de pessoas, das quais 52 milhões (3,75%) já foram inoculadas. Assim, Wang anunciou a Ação da Muda da Primavera, buscando estender a vacinação para cidadãos chineses no exterior -eles formam grandes minorias em locais como Taiwan e Singapura. O caractere chinês para muda é o mesmo usado para vacina. "Ninguém será deixado para trás sob nossa diplomacia para o povo", disse Wang, reforçando contudo que a China continuará a apoiar programas de vacinação em outros países. São chineses os principais imunizantes usados hoje no Brasil, Indonésia e Turquia, por exemplo. Nesses casos, trata-se de vacinas compradas, mas lotes foram doados para nações mais pobres, como Iraque, Paquistão e Zimbábue, como parte do esforço geopolítico da China em melhorar sua imagem internacional. Dois territórios chineses semiautônomos, Hong Kong e Macau, também receberam doses vindas do governo central da ditadura. Tal inicativa também ocorre na Rússia, que já viu sua Sputnik V aprovada em 46 países, e na Índia -que tem um desafio semelhante ao chinês para imunizar 1,3 bilhão de pessoas, mas exporta insumos e vacinas prontas.