Mercado abrirá em 11 mins
  • BOVESPA

    95.368,76
    -4.236,78 (-4,25%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    37.393,71
    -607,60 (-1,60%)
     
  • PETROLEO CRU

    35,91
    -1,48 (-3,96%)
     
  • OURO

    1.876,00
    -3,20 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    13.116,06
    -47,33 (-0,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    259,26
    -13,43 (-4,93%)
     
  • S&P500

    3.271,03
    -119,65 (-3,53%)
     
  • DOW JONES

    26.519,95
    -943,24 (-3,43%)
     
  • FTSE

    5.587,14
    +4,34 (+0,08%)
     
  • HANG SENG

    24.586,60
    -122,20 (-0,49%)
     
  • NIKKEI

    23.331,94
    -86,57 (-0,37%)
     
  • NASDAQ

    11.200,25
    +67,50 (+0,61%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7117
    -0,0227 (-0,34%)
     

China suspende entrada de cargas da unidade de Barretos da Minerva por uma semana

·1 minuto de leitura

SÃO PAULO/BRASÍLIA (Reuters) - Lotes de carne bovina enviados pela unidade de Barretos (SP) da Minerva Foods terão a entrada no mercado chinês temporariamente suspensa a partir do dia 1º de outubro, informou a Administração Geral de Alfândegas da China (GACC, na sigla em inglês) nesta quarta-feira em nota publicada em seu site, sem detalhar os motivos da paralisação.

Segundo o comunicado, estarão suspensas as declarações de importação de produtos provenientes do frigorífico com SIF421, por uma semana, e os processos serão retomados automaticamente após este prazo.

Procurada, a Minerva disse que não vai se posicionar. A companhia é a maior exportadora de carne bovina da América do Sul.

De acordo com uma fonte com conhecimento sobre o assunto, que preferiu não se identificar, a paralisação ocorreu para a realização de testes feitos por autoridades chinesas.

O país asiático, principal importador de carnes do Brasil e um dos maiores do mundo, endureceu as fiscalizações para entrada de cargas estrangeiras no intuito de conter a disseminação do novo coronavírus --embora não haja comprovação científica de que a Covid-19 possa ser transmitida por meio de embalagens e/ou alimentos.

(Por Nayara Figueiredo e Jake Spring)