Mercado abrirá em 1 h 58 min
  • BOVESPA

    130.207,96
    +766,93 (+0,59%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.029,54
    -256,92 (-0,50%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,46
    +0,58 (+0,82%)
     
  • OURO

    1.867,00
    +1,10 (+0,06%)
     
  • BTC-USD

    40.000,56
    +644,45 (+1,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.001,21
    +32,37 (+3,34%)
     
  • S&P500

    4.255,15
    +7,71 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    34.393,75
    -85,85 (-0,25%)
     
  • FTSE

    7.168,52
    +21,84 (+0,31%)
     
  • HANG SENG

    28.638,53
    -203,60 (-0,71%)
     
  • NIKKEI

    29.441,30
    +279,50 (+0,96%)
     
  • NASDAQ

    14.142,00
    +17,25 (+0,12%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1436
    +0,0121 (+0,20%)
     

China repudia comunicado do G7 com críticas a Pequim e apoio a Taiwan

·2 minuto de leitura
Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Wang Wenbin, durante entrevista coletiva em Pequim

Por David Kirton

PEQUIM (Reuters) - A China repudiou nesta quinta-feira um comunicado conjunto de ministros das Relações Exteriores do G7 que expressou apoio a Taiwan, que a China reivindica, e retratou Pequim como truculenta, dizendo ter se tratado de uma interferência grave nos assuntos internos chineses.

Em um comunicado emitido após uma cúpula em Londres, os chanceleres disseram que a China é culpada de violações de direitos humanos e de usar "políticas econômicas coercivas", acrescentando que o G7 usará de esforços coletivos para deter.

Em uma medida incomum, o G7 ainda disse que apoia a participação de Taiwan em fóruns da Organização Mundial da Saúde (OMS) e na Assembleia Mundial da Saúde e demonstrou o receio de "quaisquer ações unilaterais que poderiam intensificar as tensões" no Estreito de Taiwan.

Falando em Pequim, o porta-voz da chancelaria chinesa, Wang Wenbin, repudiou o comunicado, dizendo que ele fez "acusações infundadas" que são uma interferência grave nos assuntos internos chineses.

"Isto é a destruição injustificada das normas das relações internacionais", disse ele.

O G7 como grupo deveria adotar ações concretas para robustecer a recuperação econômica global, ao invés de transtorná-la, acrescentou.

Wang também atacou países do G7 por acumularem vacinas contra Covid-19 e terem uma postura "frouxa" no auxílio a outras nações.

"Eles não deveriam criticar e interferir em outros países com uma atitude altiva, minando a maior prioridade atual de cooperação internacional anti-pandêmica", disse.

A China considera Taiwan seu próprio território e se opõe a qualquer representação oficial de Taiwan em nível internacional. Pequim também intensificou suas atividades militares perto de Taiwan nos últimos meses, tentando enfatizar suas pretensões de soberania.

O texto do G7 foi recebido calorosamente por Taipé, cujo governo disse ter sido a primeira vez que os chanceleres mencionaram a ilha em seu comunicado conjunto.

O escritório presidencial de Taiwan agradeceu o G7 por seu apoio.

"Taiwan continuará aprofundando sua parceria cooperativa com países-membros do G7, e continuará a contribuir com a maior força positiva à saúde global e ao bem-estar do povo, assim como à paz, estabilidade e prosperidade da região do Indo-Pacífico", disse o porta-voz Xavier Chang.

(Reportagem e redação adicional de Ben Blanchard em Taipé)