Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.800,79
    -3.874,54 (-3,08%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.868,32
    -766,28 (-1,48%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,81
    +0,19 (+0,26%)
     
  • OURO

    1.812,50
    -18,70 (-1,02%)
     
  • BTC-USD

    42.256,17
    +567,93 (+1,36%)
     
  • CMC Crypto 200

    955,03
    +5,13 (+0,54%)
     
  • S&P500

    4.395,26
    -23,89 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.935,47
    -149,06 (-0,42%)
     
  • FTSE

    7.032,30
    -46,12 (-0,65%)
     
  • HANG SENG

    25.961,03
    -354,29 (-1,35%)
     
  • NIKKEI

    27.283,59
    -498,83 (-1,80%)
     
  • NASDAQ

    14.966,50
    -71,25 (-0,47%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1880
    +0,1475 (+2,44%)
     

China rejeita críticas da OMS sobre investigação da origem da covid-19

·1 minuto de leitura
Em janeiro, a OMS enviou uma missão de especialistas à China, mas não conseguiu determinar a origem do coronavírus que já matou mais de quatro milhões de pessoas em todo o mundo

A China rejeitou, nesta sexta-feira (16), as críticas do diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre sua suposta falta de cooperação na investigação da origem da pandemia de covid-19.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, disse na quinta-feira que a China, onde foram detectados os primeiros casos no final de 2019 na cidade de Wuhan (centro), deve "cooperar melhor" para entender o que "realmente aconteceu".

A organização internacional com sede em Genebra (Suíça) enfrenta uma pressão crescente para que realize uma nova e exaustiva investigação sobre as origens da covid-19.

Em janeiro, a OMS enviou uma missão de especialistas à China, mas não conseguiu determinar a origem do coronavírus que já matou mais de quatro milhões de pessoas em todo o mundo.

Tedros disse aos jornalistas na quinta-feira que a China não havia compartilhado os "dados brutos" sobre o vírus, o que é "um problema", segundo ele.

Em resposta, um porta-voz da diplomacia chinesa, Zhao Lijian, disse nesta sexta que "certas informações relacionadas à vida privada não podem ser copiadas e retiradas do país".

Os especialistas da OMS, no entanto, "obtiveram uma grande quantidade de dados" e a China "mostrou a eles linha por linha" quais precisavam de "atenção especial", disse Zhao.

O porta-voz também rejeitou as afirmações de Tedros de que "houve uma tentativa prematura" de descartar a teoria do acidente de laboratório.

Esta teoria, descartada por muito tempo pela maioria dos especialistas, foi incentivada nos Estados Unidos pela gestão anterior de Donald Trump e nos últimos meses se voltou a falar sobre ela.

"Esta questão não deve ser politizada", destacou Zhao.

tjx/sbr/ehl/ia/pc/mis/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos