Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.801,21
    -1.775,35 (-1,44%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.195,43
    -438,48 (-0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,02
    -2,54 (-3,73%)
     
  • OURO

    1.809,60
    -0,50 (-0,03%)
     
  • BTC-USD

    39.877,05
    +1.550,88 (+4,05%)
     
  • CMC Crypto 200

    977,06
    +50,30 (+5,43%)
     
  • S&P500

    4.402,66
    -20,49 (-0,46%)
     
  • DOW JONES

    34.792,67
    -323,73 (-0,92%)
     
  • FTSE

    7.123,86
    +18,14 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    26.426,55
    +231,73 (+0,88%)
     
  • NIKKEI

    27.584,08
    -57,75 (-0,21%)
     
  • NASDAQ

    15.081,50
    +35,25 (+0,23%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1183
    -0,0472 (-0,77%)
     

China registra surprendente alta das exportações em junho (+32,2%)

·1 minuto de leitura
Contêineres no porto de Yantian, em Shenzhen, na província chinesa de Guangdong, em 22 de junho de 2021

A China registrou em junho uma recuperação surpreendente de suas exportações, a 32,2% interanual, impulsionada pelas vendas de eletrônicos e farmacêuticos - informou a administração alfandegária do país na terça-feira (13).

Este é o maior ritmo de crescimento das vendas do gigante asiático desde abril.

Foi um desempenho muito melhor do que o esperado, já que os economistas projetavam uma desaceleração (23,1%), após uma alta de 27,9% ano a ano no mês anterior.

A situação contrasta fortemente com a do ano passado, quando a atividade na China estava se recuperando da pandemia da covid-19.

Em junho de 2020, as exportações chinesas voltaram a ser positivas pela primeira vez (+0,5%), após a estagnação da economia.

Agora, quase livre da doença, a China foi o primeiro país a voltar, no final de 2020, a um nível de atividade anterior à pandemia.

"A economia chinesa está se estabilizando e melhorando (...) e isso está proporcionando um sólido apoio ao comércio exterior", disse Li Kuiwen, porta-voz da Aduana, à imprensa.

Na outra direção, as compras de produtos do exterior se desaceleraram em junho, quando as importações aumentaram 36,7% em relação ao mesmo período do ano anterior, ainda conforme a Alfândega.

É um ritmo bem mais lento que o de maio (51,1%), mas o desempenho é, no entanto, melhor do que as previsões dos analistas (30%).

Em junho, o superávit comercial do gigante asiático alcançou US$ 51,3 bilhões, acima do mês anterior, quando registrou US$ 45,53 bilhões.

sbr/bar/cn/mis/rsr/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos