Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -634,97 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,16 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    -0,13 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -0,10 (-0,01%)
     
  • BTC-USD

    39.005,59
    +2.933,24 (+8,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,40 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,87 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    -1,50 (-0,01%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

China registra aumento das exportações e forte crescimento das importações

·1 minuto de leitura
Rua lotada em Xangai em 1° de maio de 2021

As exportações da China aumentaram acentuadamente no mês passado, segundo dados publicados nesta sexta-feira (7), e as importações dispararam em seu melhor ritmo em uma década, num contexto de recuperação econômica global após a pandemia.

Com as campanhas de vacinação em andamento, especialmente avançadas nos Estados Unidos, um mercado-chave, e o relaxamento das restrições sanitárias em muitos países, a demanda por produtos do gigante asiático está se recuperando, depois de afundar em 2020.

As vendas de produtos chineses ao exterior registraram no mês passado forte alta de 32,3% em um ano, principalmente devido ao aumento da demanda por eletroeletrônicos e máscaras. Esse número é muito superior aos 24,1% que os analistas previam.

Há um ano, no mesmo período, as exportações da China despencaram 17,2%, quando a pandemia paralisou grande parte do país.

Quanto às importações, a China registou em abril um aumento de 43,1% em um ano, aumento que é explicado pelo baixo valor registado no mesmo período de 2020, que teve queda de 4%.

Este é o ritmo de progressão mais rápido desde 2011.

Com a pandemia sob controle e após um ano de esforços no gigante asiático, a população chinesa voltou a seus hábitos de consumo.

Já o superávit comercial do país atingiu US$ 42,85 bilhões em abril. Um mês antes, era de US$ 13,8 bilhões.

bys/apj/dan/es/mar/mr