Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.669,90
    -643,33 (-0,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.627,67
    -560,48 (-1,16%)
     
  • PETROLEO CRU

    59,34
    -0,26 (-0,44%)
     
  • OURO

    1.744,10
    -14,10 (-0,80%)
     
  • BTC-USD

    59.279,26
    +767,12 (+1,31%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.235,89
    +8,34 (+0,68%)
     
  • S&P500

    4.128,80
    +31,63 (+0,77%)
     
  • DOW JONES

    33.800,60
    +297,03 (+0,89%)
     
  • FTSE

    6.915,75
    -26,47 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    28.698,80
    -309,27 (-1,07%)
     
  • NIKKEI

    29.768,06
    +59,08 (+0,20%)
     
  • NASDAQ

    13.811,00
    +63,25 (+0,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7625
    +0,1276 (+1,92%)
     

China reduzirá volume de milho e farelo de soja usado em ração animal, dizem fontes

Hallie Gu e Dominique Patton
·2 minuto de leitura

Por Hallie Gu e Dominique Patton

PEQUIM (Reuters) - O ministério de agricultura da China lançou uma campanha para reduzir o volume de milho e farelo de soja contido na ração para animais, segundo documento publicado nesta semana, o que pode ter repercussões sobre o comércio global de grãos.

O documento, enviado a produtores de ração e outros departamentos do governo, apresenta um plano para que especialistas em nutrição tracem diretrizes até o final deste mês sobre como o milho e o farelo de soja poderiam ser substituídos por outros grãos, disseram três fontes com conhecimento do assunto à Reuters.

O Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais não respondeu de imediato a um pedido de comentário.

O documento vem em meio a um crescente déficit de milho na China, que tem pressionado a máximas recorde os preços do grão, utilizado principalmente para ração. Isso também levou a um salto nas importações do segundo maior consumidor global de milho.

Dados de alfândega nesta quinta-feira mostraram que as importações de milho pela China nos primeiros dois meses do ano subiram 400%, para 4,8 milhões de toneladas, enquanto importações de trigo e sorgo também aumentaram.

O movimento também vem após o governo chinês ter ampliado seu foco na segurança alimentar, com a Covid-19 gerando preocupações sobre sua dependência de importações e estabilidade de fornecedores.

Participantes do setor disseram que não é muito claro o impacto das diretrizes, uma vez que não há expectativa de que elas sejam vinculantes.

"É mais fácil falar do que fazer", disse o analista da StoneX, Darin Friedrichs.

Os volumes de produção de outras proteínas como colza e girassol são uma fração do volume global de produção de soja.

"Agora você tem o Brasil carregando mais de 2 milhões de soja em navios toda semana para embarque à China. Você não tem esse tipo de escala e eficiência com outros produtos", acrescentou Friedrichs.

O ministério disse que deseja alcançar um equilíbrio entre oferta e demanda de grãos para ração e promover maior uso de arroz, trigo e outros grãos, além de outras farinhas para substituir o milho e o farelo de soja.