Mercado fechará em 3 h 14 min
  • BOVESPA

    128.291,89
    -973,07 (-0,75%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.055,82
    -259,87 (-0,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,28
    -0,38 (-0,52%)
     
  • OURO

    1.779,80
    -3,10 (-0,17%)
     
  • BTC-USD

    31.949,48
    -233,71 (-0,73%)
     
  • CMC Crypto 200

    761,84
    -32,48 (-4,09%)
     
  • S&P500

    4.239,27
    +14,48 (+0,34%)
     
  • DOW JONES

    33.892,81
    +15,84 (+0,05%)
     
  • FTSE

    7.090,01
    +27,72 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.309,76
    -179,24 (-0,63%)
     
  • NIKKEI

    28.884,13
    +873,20 (+3,12%)
     
  • NASDAQ

    14.223,00
    +93,00 (+0,66%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9639
    -0,0114 (-0,19%)
     

China reduz volume de IFA da CoronaVac a ser remetido ao Brasil, diz Butantan

·1 minuto de leitura
Vacinação contra Covid-19 no Brasil

BRASÍLIA (Reuters) - A China decidiu reduzir de 4 mil para 3 mil litros o volume de ingrediente farmacêutico ativo (IFA) para produção da CoronaVac a ser remetido ao Brasil no próximo dia 26, informou nesta terça-feira o Instituto Butantan.

Com a redução da remessa de IFA será possível produzir 5 milhões de doses da vacina pelo Butantan, informou o órgão.

Na véspera, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), havia informado que o Butantan iria receber um lote de 4 mil litros de insumos da CoronaVac, suficientes para 7 milhões de doses, no dia 26 de maio.

O Butantan, que é ligado ao governo de São Paulo --cujo governador Doria é desafeto do presidente Jair Bolsonaro-- tinha afirmado que o IFA está pronto e disponível na China, dependendo apenas de aprovação de envio pelo governo chinês.

O Butantan e Doria afirmaram que recentes ataques de Bolsonaro à China têm interferido diretamente no cronograma de liberação de novos lotes de insumos pelos chineses. Nesta segunda-feira, Doria reiterou que o atraso se deve a uma "questão política e diplomática", mas demonstrou confiança em uma liberação em breve.

Em depoimento à CPI da Covid do Senado nesta terça, o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo negou que atritos do governo Bolsonaro com a China tenham atrapalhado na remessa de insumos de vacinas ao Brasil.

(Reportagem de Ricardo Brito)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos