Mercado fechará em 8 mins

China recomenda cloroquina contra COVID-19, mas reprova hidroxicloroquina

Natalie Rosa
·3 minutos de leitura

Depois de a hidroxicloroquina ser brevemente deixada de escanteio pela mídia, o medicamento antimalárico voltou a virar assunto. Segundo o site do jornal South China Morning Post, a China acaba de não recomendar o uso do remédio no tratamento de pacientes internados com a COVID-19, mas é a favor do uso da parente cloroquina, também usada para tratar a malária.

A recomendação foi feita na última quarta-feira (19) após atualização nas diretrizes de tratamento da doença, documento que não era atualizado desde o dia 3 de março. De acordo com a agência governamental chinesa National Health Commission, o uso da hidroxicloroquina sozinha ou combinada com o antibiótico azitromicina não é recomendado.

"Alguns medicamentos podem demonstrar um certo grau de eficácia para o tratamento em estudos de observação clínica, mas não há efetividade antiviral confirmada por ensaios clínicos controlados combinados com placebo", diz a organização. O mesmo documento também reforça a recomendação, no entanto, da cloroquina, e de outros medicamentos antivirais, como o interferon e umifenovir. Além disso, é recomendado ainda o uso da ribavirina junto ao lopinavir e o ritonavir.

<em>Imagem: Reprodução</em>
Imagem: Reprodução

Já o antiviral remdesivir, aprovado pelos Estados Unidos, Europa e Hong Kong, não constam da lista. Pesquisadores chineses conduziram ensaios duplos-cegos controlados da droga, mas não encontraram nenhum benefício contra o coronavírus. Mas nos Estados Unidos, um estudo liderado pelo governo do país revelou que o remdesivir pode encurtar o tempo de recuperação de pacientes com a doença.

Em junho, a OMS (Organização Mundial de Saúde) descontinuou os tratamentos com a hidroxicloroquina contra COVID, pela falta de comprovação da sua eficiência contra o vírus, tal como lopinavir e ritonavir.

Contraditório?

Para David Hui Shu-cheong, professor de medicina respiratória da Chinese University, a decisão do governo chinês não faz sentido. "Os dois medicamentos são o mesmo. Três organizações já haviam desistido do uso da hidroxicloroquina. Eles incluíram que a OMS, o National Institutes of Health (dos Estados Unidos) e o Recovery Trial (do Reino Unido) mostraram que não há benefícios", reforça o especialista.

Shu-cheong disse também estar surpreso pelo remdesivir não estar no documento, pois o medicamento esteve no topo das listas de tratamento antiviral na maioria dos países e cidades. A cloroquina e hidroxicloroquina foram fortemente recomendadas por líderes governamentais, como Jair Bolsonaro e Donald Trump, respectivamente, mesmo sem a comprovação da sua eficácia.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: