Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,48 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,98 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,43
    -4,06 (-4,86%)
     
  • OURO

    1.651,70
    -29,40 (-1,75%)
     
  • BTC-USD

    18.917,79
    -434,10 (-2,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    434,61
    -9,92 (-2,23%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,27 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    -140,92 (-1,97%)
     
  • HANG SENG

    17.933,27
    -214,68 (-1,18%)
     
  • NIKKEI

    27.153,83
    -159,30 (-0,58%)
     
  • NASDAQ

    11.388,00
    -177,50 (-1,53%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0976
    +0,0649 (+1,29%)
     

China reaparece entre os países que mais usam Bitcoin apesar de banimento

Bandeira da China e criptomoedas Bitcoin, Ethereum e outras.
Bandeira da China e criptomoedas Bitcoin, Ethereum e outras.

Mesmo com uma série de proibições relacionadas às criptomoedas na última década, a China ainda está entre os países que mais usam Bitcoin. As informações são do último relatório da Chainalysis, empresa de análise de dados.

Dado isso, a própria Chainalysis enfatiza que o banimento das criptomoedas foi ineficaz, ou então não foi aplicativo rigidamente. Afinal, há um grande uso de serviços centralizados por chineses.

No mesmo relatório, o Brasil aparece como o 7º maior mercado de criptomoedas, na frente de países como Rússia e Argentina e atrás dos Estados Unidos e da Ucrânia, apontados como duas potências do setor.

Banimento do Bitcoin pela China teve pouco resultado

A guerra da China contra as criptomoedas é antiga e teve início antes mesmo do Bitcoin ser conhecido. Em 2009, proibiram as moedas virtuais, já em 2013, durante a primeira grande alta do Bitcoin, restringiram o uso do mesmo por bancos.

Em 2017, baniram ICOs e fecharam exchanges. Em seu último golpe, expulsaram mineradores em 2021, assim como qualquer negociação de criptomoedas no país. Entretanto, a China reapareceu como um dos 10 países que mais utilizam Bitcoin no mais recente relatório da Chainalysis.

“Nossos subíndices mostram que a China é especialmente forte no uso de serviços centralizados, ficando em segundo lugar geral para o volume de transações ajustado ao poder de compra no geral e níveis de varejo.”

China entre os países que mais utilizam Bitcoin e outras criptomoedas. Fonte: Chainalysis.
China entre os países que mais utilizam Bitcoin e outras criptomoedas. Fonte: Chainalysis.

Finalizando, a Chainalysis aponta que a proibição das criptomoedas foi ineficaz ou não foi aplicada de forma rígida.

Tais dados também batem com um estudo do Cambridge Bitcoin Electricity Consumption Index. Em maio deste ano, o CBECI colocou a China como a 2ª maior mineradora de Bitcoin do mundo, mesmo com tanta repressão do governo.

Migração para Proof-of-Stake do Ethereum pode ajudar chineses

Se os chineses já estão conseguindo driblar as leis locais e ainda minerar Bitcoin e outras criptomoedas, tal evasão pode ser ainda maior com a chegada da maior atualização do Ethereum, o The Merge.

Afinal, investidores de ETH poderão ganhar recompensas de mineração sem precisar de equipamentos especializados e que chamam atenção por conta do consumo energético.

Sendo assim, o The Merge poderá impulsionar este mercado clandestino de criptomoedas na China, especialmente em Ethereum. Portanto, embora tal modelo esteja sendo criticado por sua maior centralização, o mesmo pode apresentar alguns benefícios ainda não tão explorados.

Fonte: Livecoins