Mercado fechará em 3 h 30 min
  • BOVESPA

    113.575,51
    -132,25 (-0,12%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.406,93
    -327,11 (-0,67%)
     
  • PETROLEO CRU

    89,87
    +1,76 (+2,00%)
     
  • OURO

    1.770,50
    -6,20 (-0,35%)
     
  • BTC-USD

    23.377,72
    -8,81 (-0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    557,64
    -0,09 (-0,02%)
     
  • S&P500

    4.272,85
    -1,19 (-0,03%)
     
  • DOW JONES

    33.891,05
    -89,27 (-0,26%)
     
  • FTSE

    7.541,85
    +26,10 (+0,35%)
     
  • HANG SENG

    19.763,91
    -158,54 (-0,80%)
     
  • NIKKEI

    28.942,14
    -280,63 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.542,75
    +49,50 (+0,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2542
    -0,0050 (-0,10%)
     

China quer lançar sua própria missão para "repelir" asteroide

A China está desenvolvendo uma missão rumo a 2020 PN1, um asteroide próximo da Terra, com o objetivo de observar, e desviar a trajetória, da rocha espacial. A missão tem lançamento estimado para 2026, a bordo de um foguete Long March 3B, e seus detalhes foram divulgados por Long Lehao, designer chefe da série de foguetes Long March.

O 2020 PN1 foi descoberto em 2020, e parece ter aproximadamente 40 m de diâmetro. Em uma apresentação, Long sugeriu que a missão irá incluir uma nave projetada especialmente para se chocar contra o asteroide, enquanto outra irá observar a rocha espacial.

A missão será enviada rumo ao asteroide 2020 PN1 (Imagem: Reprodução/urikyo33/Pixabay)
A missão será enviada rumo ao asteroide 2020 PN1 (Imagem: Reprodução/urikyo33/Pixabay)

Se a descrição da missão soa familiar, é porque ela parece combinar os elementos principais das missões DART e HERA, da NASA e Agência Espacial Europeia, respectivamente. A DART irá se chocar contra Dimorphos, uma pequena lua orbitando o asteroide Didymos, com objetivo de mudar sua órbita. Já a HERA irá observar as rochas espaciais no fim da década, com o objetivo de analisar os efeitos da colisão.

Enviar uma espaçonave para impactar um asteroide e mudar sua trajetória é uma das estratégias propostas para impedir uma colisão com nosso planeta. A ideia é que, desde que a rocha seja detectada com antecedência suficiente, um pequeno "empurrão" pode ser o bastante para causar um efeito significativo em sua órbita, a longo prazo, e neutralizar a ameaça.

Vale lembrar que tanto Didymos/Dimorphos e 2020 PN1 são completamente inofensivos para nós. Por isso, são candidatos ideais para um teste.

Em sua fala, Long também relembrou futuras missões de exploração da China, como a Tianwen-2 e a Tianwen-3; a primeira planeja coletar e trazer amostras de um asteroide próximo da Terra, e a segunda será destinada à coleta de amostras em Marte e ao envio de naves espaciais com destino ao sistema de Júpiter.

Por fim, Long reforçou os planos que a China tem para um futuro não tão distante: até 2030, o país planeja levar uma dupla de taikonautas (o nome dado aos astronautas chineses) à Lua, e está trabalhando em foguetes lançadores alimentados por metano líquido e oxigênio, que serão reutilizáveis.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos