Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.439,37
    -2.354,91 (-2,07%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.307,71
    -884,62 (-1,69%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,96
    -0,65 (-0,90%)
     
  • OURO

    1.753,90
    -2,80 (-0,16%)
     
  • BTC-USD

    47.901,45
    -433,50 (-0,90%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.193,48
    -32,05 (-2,62%)
     
  • S&P500

    4.432,99
    -40,76 (-0,91%)
     
  • DOW JONES

    34.584,88
    -166,44 (-0,48%)
     
  • FTSE

    6.963,64
    -63,84 (-0,91%)
     
  • HANG SENG

    24.920,76
    +252,91 (+1,03%)
     
  • NIKKEI

    30.500,05
    +176,71 (+0,58%)
     
  • NASDAQ

    15.282,75
    -226,75 (-1,46%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1994
    +0,0146 (+0,24%)
     

China quer criar nave hipersônica para conectar as futuras colônias de Marte

·2 minuto de leitura

Enquanto a China segue com planos ambiciosos para estabelecer a presença humana em Marte, uma equipe de cientistas criou um conceito de nave hipersônica que seria usada para viajar entre futuras colônias do planeta. A nave em questão seria um drone que pesaria cerca de 500 kg e poderia viajar a cinco vezes a velocidade do som, em altitude de cruzeiro de 5.000 m. Contudo, vale lembrar que o projeto está em uma etapa bastante inicial e ainda deverá levar algumas décadas para se tornar realidade, caso realmente saia do papel.

Segundo Xu Xu, professor da Universidade de Beihang que desenvolveu o conceito junto de outros pesquisadores, não seria tão simples realizar um voo hipersônico em Marte quanto é na Terra, mas isso não significa que seja impossível. De acordo com os cálculos dele, a nave poderia viajar pela superfície de Marte a distâncias de 1.000 km em velocidade cinco vezes maior que a do som — na Terra, essa velocidade é de 340 m/s; já no Planeta Vermelho, essa velocidade é de aproximadamente 240 m/s.

Xu explica que, quando os humanos colonizarem Marte, haverá assentamentos em diferentes lugares do planeta — daí a necessidade de transporte a lognas distâncias (Imagem: Reprodução/Nicolas Lobos/Unsplash)
Xu explica que, quando os humanos colonizarem Marte, haverá assentamentos em diferentes lugares do planeta — daí a necessidade de transporte a lognas distâncias (Imagem: Reprodução/Nicolas Lobos/Unsplash)

O drone hipersônico seria alimentado com combustível de magnésio porque há pouquíssimo oxigênio em Marte. Entretanto, ele destaca também que há mais inúmeros desafios pela frente para o projeto virar realidade e poder, de fato, conectar as futuras colônias que estejam no planeta e permitir que compartilhem recursos, conforme foi proposto. “O primeiro voo hipersônico em Marte pode não acontecer nos próximos 30 anos, porque há vários desafios técnicos a serem resolvidos”, explicou Xu.

Para essa conexão acontecer, o drone teria que ser grande o suficiente para transportar pessoas e, quem sabe, suprimentos. Além disso, essa nave conceitual teria design aerodinâmico que lembra um míssil de cruzeiro, e poderia chegar à altitude de cruzeiro de 5.000 m, abaixo daquela alcançada em voos comerciais devido à densidade do ar de Marte. Por isso, o drone teria que desviar de algumas formações altas demais, que podem ser perigosas. De acordo com o professor, a equipe está agora na etapa de "prontidão de tecnologia nível três" para pesquisarem formas de provar a viabilidade do conceito.

Para isso, um protótipo de pequena escala seria testado em um túnel de vento, que iria liberar dióxido de carbono para simular o ambiente de Marte. Em 2035, as autoridades chinesas esperam construir uma nave hipersônica que possa transportar 10 passageiros para qualquer lugar na Terra em apenas 1 hora; depois, em 2045, o país já espera ter uma frota de aviões espaciais para levar cerca de 10.000 passageiros para a órbita da Terra ou para destinos além, como a Lua ou Marte.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos